Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2012

Notícias do apocalipse

Escrevo-vos depois do mundo ter acabado. Ou este blogue, ou ambos, não tenho a certeza.

O cenário é terrífico: há trocadilhos com Maias, Eça de Queiroz e a falibilidade da Maya. Há palavras que me ainda ressoam vindas de uma noite de poesia. Há a gratificação de ver actuar amigos com talento. Há a Babilónia do costume, com insultos desmedidos,provocações estúpidas, insinuações com preço, amizade à bruta e gratuita.

 

Há as confidências que nos entregam sem as pedirmos, há o deslumbre pelas pequenas coisas.

Há a saudade inexpugnável que dói de bom que é descobrir. Há o consolo do regresso que se confunde com todos os dias que queremos que venham. Há esta urgência absurda das palavras, que um tipo julgava perdida ou só movida a combustíveis tardios e nocturnos.

Há o que permanece, o que se lê nos livros. Há  a estupidez, a ganância, a fraqueza, a inclinação para o mal. Há o trabalho e a recompensa adiada e sem preço.

 

Há um amigo ébrio que me beija na face e me diz «és de direita mas eu adoro-te, e sempre seremos amigos», a despropósito mas com razão.Há uma rapariga que não conheço que desafia um amigo para quadras improvisadas. Há esse amigo que o faz.

Há o taxista que sabe perfeitamente como governar o país e o Universo em geral e faz questão de o proclamar. Há a saudade, já falei da saudade ?

 

Há listas mentais de prendas que se quer dar ao nosso amor se ao menos ele aqui estivesse. Há a pureza irredutível dos filhos, que usam o perdão como se fosse uma flor comum. Há o orgulho.

Depois do mundo ter acabado, há tudo: as dúvidas, as dívidas, as dores, os amores, os rancores. Há pobres e ricos, espertos e néscios. Há Beckett que parece ter sido escrito depois  do apocalipse, como um sumário. Há tipos pretensiosos que conseguem escrever frases como a anterior.

 

Há um branco desavergonhado que desfia o negro. Há os que dizem «esperança» sem vergonha. Há os que choram enquanto outros vendem lenços.

 

Há ser humano.Há o que apenas há. E goste-se ou não, não há mais nada nem há desculpas para não fazer melhor.Aqui, deste meu lado do fim

do mundo, há Deus.

 

E de repente talvez os Maias tivessem razão: o que somos não vem embrulhado em papeis vistosos. Sem o saberem, e pouco antes de serem massacrados, os sacanas dos índios tinham razão: o fim do mundo acontece sempre que nos esquecemos de quem somos e do que nos podemos fazer. Assim de repente, uma bela definição do Natal tal como o entendemos em que os presentes diluem os dias.

Há o fim do mundo e mesmo assim continuamos humanos. Espero o dia em que mereçamos o Natal.

publicado por Nuno Miguel Guedes às 05:13
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever