Sexta-feira, 2 de Novembro de 2012

O dom das lágrimas

Há alguns dias vi um homem chorar.

Podia ter sido numa manifestação, ou numa destas recentes catarses colectivas organizadas onde se lamenta e se protesta os dias que correm. Podia ter sido num funeral. Podia ter sido um indigente, à mercê do amor de ocasião.

Nada disso. O que rodeava este homem, de cabelos grisalhos e olhos cinzento-avermelhado era uma atmosfera de festa. Uma conjuntura improvável para algo raríssimo nestes dias: apresentar as lágrimas em público, perante estranhos e sem medo nem vergonha. De facto, com gratidão.

 

O cristianismo primitivo está cheio de apelos a essa água salgada que nos escorre dos olhos. As lágrimas, para os primeiros cristãos, sempre foram uma bênção que era necessário pedir. Algumas das mais belas e poéticas orações suplicam justamente pelo dom da lágrima. A natureza humana, na sua patética soberba, sempre se recusou a si própria: daí o recurso à intervenção divina.

 

O tempo, esse monstro por nós criado, tratou de anular o poder da lágrima. Sinal de fraqueza, de cobardia. Excesso de romantismo reservado a literatura histérica ou, mais recentemente, adaptado e difundido apenas como consequência de situações catastróficas ou dramáticas, de preferência com um directo televisivo às oito da noite.

 

O valor da lágrima – o dom de chorar – parece ter-se perdido para uma qualquer obrigação de sofrer ou rejubilar para dentro e em privado. Não choramos as nossas perdas – amores, mortes – quando elas acontecem e como deveríamos fazê-lo. Preferimos o luto civilizado na ilusão de que tudo dói menos. Mas dói e não passa. Desconfiamos dos adultos que choram ao ver um filme ou se sentem atingidos por uma canção. Toleramos o choro dos outros, com o insuportável paternalismo e relação de poder que este verbo traz.. Mas tolerar é suportar.E suportar não é respeitar, que é algo que obriga a uma atitude de olhos nos olhos, de igual para igual.

 

As lágrimas, sobretudo se vertidas em público, incomodam. Subvertem, fazem-nos passar ao lado, interpelam-nos ao ponto de mudarmos de passeio como evitamos o bêbedo que sabemos que nos vai incomodar. As lágrimas despem-nos.

 

E sabendo isto, ver um homem, com cerca de sessenta anos, chorar no meio de um bar, no meio de um ambiente de festa desbragada. Não se está preparado para isso. Eu não estava, pelo menos. Consegui perguntar porquê, oferecer o consolo estúpido de quem não entende. O homem – um irlandês de meia idade, de férias em Portugal – respondeu naturalmente, com um sorriso já húmido:«Porque esta música [uma balada tradicional irlandesa] e vocês [portugueses] me fazem sentir em casa e com saudades de casa. Nunca senti nada assim. E ainda não bebi nada!» .As lágrimas corriam, já misturadas com o riso.

 

Acredito que as lágrimas são as jóias visíveis da alma. Acredito, mas não o pratico à vista de todos. Chorar é reduzirmo-nos ao pouco que somos no maior que poderemos ser, e é por isso que é tão difícil como necessário. Daí esta crónica surgir como pobre redenção, ao mesmo tempo que lembro a inveja e a lição que este homem me deu, e que me fez chorar com ele cantando o Wild Rover

Parafraseando uma velha canção, a vida é a nossa festa e podemos chorar se quisermos. É tempo de querer, fazer e agradecer, sob pena de algo humano desaparecer de nós.

 

 

 

publicado por Nuno Miguel Guedes às 19:01
link do post | comentar
8 comentários:
De andreia am a 2 de Novembro de 2012 às 23:33
Ai pá que maravilha de texto!
De Nuno Miguel Guedes a 3 de Novembro de 2012 às 16:13
:) Obrigado, Andreia.
De andreia am a 5 de Novembro de 2012 às 10:36
Nada a agradecer! Também sou contra esconder as lágrimas, ou os sorrisos (ou, ainda, abafar pontos de exclamação). :)
De tadinho a 26 de Novembro de 2012 às 16:13
Estou que não posso com a comoção Um irlandês de ferias a chorar a ouvir uma balada irlandesa num bar, num ambiente de festa desbrada? Ainda se o homem estivesse cá desterrado ou emigrado sem poder revisitar a pátria. Já muitos irlandeses choraram assim e portugueses, nem que fosse a ouvir o Roberto leal.
De Nuno Miguel Guedes a 29 de Novembro de 2012 às 17:43
E outros que queriam mas tiveram vergonha. São os outros que se celebra aqui. Eu compreendo o seu cepticismo de feira mas acho que tem salvação. Em última análise deve haver por aí um livro em que diz em que situações se deve chorar ou não e que sem dúvida seguirá (ou é o autor, tadinho).
De tadinhos somos todos nós a 6 de Dezembro de 2012 às 13:55
Nuno, eu até choro a ver o bamby. Não há chorões maiores do que os portugueses, graças a deus. Os irlandeses também. Ao contrário do que parece pensar, os homens eram antes muito mais "atados", no que respeita a estas coisas e viam isso com mais cepticismo. Eu e amigos meus já nos aturámos reciprocamente a chorar em bares e discotecas ás tantas da manhã, por causa de merdinhas como uma canção que a tipa gostava, coisas assim. Deve ser uma coisa do metrossexualismo, ou coiso ;). No hard feelings.
De Nuno Miguel Guedes a 21 de Dezembro de 2012 às 05:10
None taken. Tem a ver com essa maldição de ser humano...E como o percebo.
De Isa a 6 de Fevereiro de 2013 às 03:28
Nunca mais faças isto, nunca mais fiques tanto tempo sem postar. dps de um mês pelo nordeste, chego aqui e é isto. Três posts teus linkados. nunca mais faças isso...
Bjo

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever