Sexta-feira, 24 de Agosto de 2012

Se não há amor como o primeiro, o que dizer da prática conduzir à perfeição?

Frases feitas quem as não usa? São uma tentação feroz que, facilmente, nos alicia e a que, irreflectidamente, nos rendemos. 

 

Uma frase feita não inova. Inferioriza, repisa e não serve para reforma. Com ela o mundo não pula nem avança. Estagna. É um desperdício de tempo. Embora, também, sirva para o ganhar. Não dá em nada. Ou adianta muito pouco. Dar-lhe atenção é favorecê-la. Um desmazelo.

 

Em relação  a frases feitas há as que são verdade, mas, também, há as outras, as mais perigosas, as que são só meia. Exigem um cuidado redobrado, para o qual não existe sinalética.

 

Por regra, a frase feita fixa-se e transmite-se por processos parasitários de acomodação. São uma retórica repetitiva. Para gente pouco corajosa e ávida de comodismo. 

 

A frase feita tem fôlegos de felino e expediente de profissional da propaganda médica. Permanece. Já deu provas e depois ficou a viver de rendimentos. É uma velha glória. Uma estrela jarreta a polir os óscares ganhos e a viver por conta do antigamente.

 

Podíamos falar indefinidamente sobre elas. Frases feitas há muitas! De todas as épocas e proveniências. Para todas as necessidades e de todos os géneros. 

São inocentes, ou não? Bem, isso depende da perspectiva.

São um engodo. Acha-se. Isso é certo. Suspeita-se. É fácil cair nelas. Aliás,    os gostos não se discutem e  há gente para tudo. Perdão! Que exagero. Dúvidas houvessem… Já risquei! Não voltarei a usar mais nenhuma frase feita, embora esteja consciente de que quando menos esperamos... Digamos que a excepção confirma a regra. Pronto, pronto, adiante... evitemos as picardias.

 

A seu favor? As frases feitas sustentam expectativas. Alimentam a falta de imaginação e não exigem investimento.

 

Contra si? O que têm para dizer é insuficiente. Não acrescentam. É chover no molhado. Na melhor das hipóteses confirmam. E servem, habitualmente, propósitos básicos de quem, ainda, tem menos para dizer. Ficam-se por insinuações. Dispõem e disponibilizam informação limitada. Comunicam pouco sobre as coisas. Mas, muito sobre nós. Pelo menos mais. Ilustram um perfil. Nesse pouco que dizem quando não dizem, exclusivamente, de nós afiançam:

 

Não há amor como o primeiro

 

Será? Não escondo a minha desconfiança.

Abrisse eu uma excepção para uma frase feita e diria que:

 

O primeiro milho é dos pardais

 

Então, não há amor como o primeiro? Fosse isso rigoroso e estávamos todos casados com o anjinho de asa anafada que se sentava, confidente, na berma da secretária da professora que parecia ter o exclusivo da eau de toilette bien être de 500ml. Aquela a quem se surripiava os totais das divisões na escola primária e se lançava ais enamorados. A que nos conquistou, inocente, as fronteiras sentimentais em estruturação e passou a salto pela veia cava e aurículos acima, esburacando ventrículos e depois todo o nosso coração, até este não passar de um queijo suíço impróprio para consumo. Lívidos. Logo desde o primeiro dia de aulas, amarfanhando-nos, zombeteira, a sintaxe amorosa irremediavelmente.

 

Quem quer correr o risco de ficar com a joia resplandecente que aos seis anos dava todas as garantias potenciais de se transformar numa Audrey Hepburn e que acabou uma matrafona da pior espécie de marroquinaria? Uma crisálida arrepiando caminho de borboleta, directamente, para traça.

 

O primeiro amor é um risco. Uma página para virar rapidamente. Anos mais tarde em encontro fortuito respira-se de alívio por se ter passado ao próximo. Confirma-se que se acredita numa coisa e depois sai outra. Vá lá acertar! Pior do que não saber ao que se vai é não adivinhar como é que fica. 

 

Felizmente não levámos a sério a frase feita e fomos tacteando inseguros as cercanias, incitando-nos com um "Next!" mental.

 

Não há amor como o primeiro?

Não me parece. Sobre o primeiro amor alardeamos uma apoteose falsa.

Para o primeiro amor ninguém está preparado. Ao segundo, em plena convalescença, já se sabia ao que se ía. O terceiro já conta com a experiência do par anterior. Mas, o primeiro... serve de preparação ou ensaio. É a volta de aquecimento.

Com o primeiro amor engasgamo-nos em pasmo. É um gole traiçoeiro.

Com ele o impacto é imprevisível e de tal ordem que não se tira tudo a limpo. Esse é, aliás, o maior problema. Como afirmar que não há amor como o primeiro quando houve pormenores que nos escaparam, situações de que nem nos apercebemos, embaraços que podiam ter sido evitados, compromissos que eram escusados. Cilindrados pelo encantamento e ultrapassados pelas circunstâncias.

 

Só concebo alguém dizer que não há amor como o primeiro se especular que a partir desse momento foi a desgraça, a miséria, uma desigual e infrutífera continuidade, incomparável com o arrebatamento inicial. Quanto aos restantes mortais, penso que só podia progredir.

 

Não há amor como o primeiro?

Não me fio numa frase feita. Não serve para nada. Não é um bom avaliador e, muito menos, assegura largada tranquila. É um passo atrás.

Em relação às questões do amor, em especial. Uma frase feita carece de prática. 

No que me diz respeito, acho que me fico pelo último. É a opção mais acertada.

Lamento a frase feita mas, reconsiderando momentaneamente, quem ri por último ri melhor.

Além do mais, XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX. Desculpem! Acho que já perceberam a ideia geral. Poupo-vos a mais uma frase feita.    

publicado por Máquina-da-Preguiça às 08:11
link do post | comentar
3 comentários:
De Espiral a 24 de Agosto de 2012 às 10:17
Depende.

O meu primeiro amor foi aos 21 anos.

Se gostei de outras pessoas antes? Sim.
Mas amor é outra coisa.
É aquele onde sentimos pela primeira vez imensas coisas. Onde aprendemos outras.
E deixa um vazio enorme. Pela surpresa da despedida.
Porque o primeiro amor é também o primeiro desamor quando acaba.

E isso é muito. É muita aprendizagem. É muita felicidade. É muita descoberta. É muito sofrimento também.

Por isso sim. Não há amor como o primeiro. Seja pelas melhorees ou piores razões. =)
De anpatriciaa a 31 de Agosto de 2012 às 12:59
Bem, ainda estou nesse primeiro amor, pelo que não posso comentar a veracidade de tal afirmação. Daqui a uns anos talvez... ;)

De J.Moedas Duarte a 13 de Setembro de 2012 às 10:06
Texto delicioso!
Irei usá-lo nas minhas aulas, com a devida vénia e bem identificado. Porque... "o seu a seu dono"...

Obrigado

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever