Domingo, 29 de Julho de 2012

Aspirações

 

A good ad should be like a good sermon: It must not only comfort the afflicted, it also must afflict the comfortable.
Bernice Fitz-Gibbon

 

 

 

E quando pensamos que nada mais nos pode surpreender, eis o último reduto: nós próprios. Um tipo distrai-se e de repente bate com o nariz na sua própria personalidade, de forma tão surpreendente como dolorosa ou tragicómica ou tudo.

Assim o que me aconteceu recentemente: enquanto o mundo andava justamente preocupado com o bosão de Higgs (não sei o que é), a crise europeia (ouvi falar) ou a excelência académica de Miguel Relvas (não sei de que falam! Juro, senhor doutor ministro!), eu andava entretido e fascinado a decifrar o anúncio televisivo da Depuralina.

 

Para o microscópico nicho universal que não faz ideia do que estou a falar, explico: Depuralina Aspira Gorduras Total é (e cito) «um produto completo no combate às gorduras». Dito desta forma, a fome também o é. Mas para o leitor picuinhas ou interessado, uma pesquisa simples informá-lo-á dos alegados atributos da marca em questão. De qualquer modo, não é o produto em si (ou a sua eficácia, que desconheço em absoluto) que é o assunto destas linhas: será mais o modo, hum, criativo, como o tentam vender.

 

Fiquemo-nos para já pelo registo descritivo do spot televisivo: vários humanóides de corpos perfeitos – vindos claramente do planeta Photoshop – exibem o seu corpo exemplar em fato de banho.Os homens, com uma simetria de linhas que faria o Homem de Vitrúvio de Da Vinci parecer um sem-abrigo (o que de certa forma parece, dado o corte cabelo) cruzam-se com mulheres belíssimas, que os olham lascivamente apesar dos Speedos de 1974  que eles ostentam; estas fêmeas, por seu lado, têm elas também um formato tão imaculado que faz o espectador implorar pela mediania – ou, talvez mais saudável, valorizar as imperfeições da mulher que ama. Tudo isto enquanto a voz off, de forma conveniente, vai assinalando as vantagens do que se está a vender e, como é natural, a esperança de que todos os cidadãos poderão ter aquele aspecto.

 

Ora tudo seria normal se ficasse por aqui. Anúncios que prometem a boa forma física – e a alegada qualidade de vida consequente – não variam muito. Mas não, não: aqui vai-se mais longe. Alguém pensou que não bastaria mostrar o estado ideal a que o consumidor de Depuralina poderia chegar. Não, isso está visto, usado, os iogurtes magros e os produtos cosméticos fazem o mesmo. Era preciso uma analogia. E qual?, perguntam os leitores. Felizmente é fácil imaginar a sessão de brainstorming dos criativos, onde deveria pontificar um neo-literal:

 

«Mostrar corpos perfeitos não chega, pá. Temos que ir mais longe. Vá, todos juntos: o que é que a Depuralina faz?»

 

[copy junior, a medo]: «Hããã...aspira as gorduras?»

 

[director criativo, triunfante]: «É isso. Genial. Tão simples. Leões de Ouro, Cannes, La Croisette, aqui vamos nós!»

 

O resultado já todos sabem: temos um anuncio em que a Leni Riefenstahl filmou pessoas com aspiradores. A sério. Corpos nazis, perfeitos, lascivos. Mas todos com um aspirador ao colo. Podem chamar-me romântico mas se a Gisele Bundchen me olhasse com inequívoca concupiscência de Hoover debaixo do braço eu fugia a sete pés.

E é este o mistério que me atormenta, amigos. Porque é que se chama ‘criativo’ a alguém que acha que o melhor modo de exemplificar o verbo ‘aspirar’ é colocar aspiradores? E se a analogia de venda são de facto os aspiradores, porque não aparecem aquelas belezas arrastando um Nilfisk industrial, daqueles que pesam uma tonelada e são populares nas unidades hoteleiras de todo o mundo?

Tudo coisas que me ralam. Tantos problemas que me assolam, tantos dilemas, tantas aflições reais que tenho de apaziguar; e no entanto, sendo macérrimo, continuo na dúvida sobre que aspirador comprar.


publicado por Nuno Miguel Guedes às 01:42
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever