Quarta-feira, 30 de Maio de 2012

Manifesto pró-grama e anti-relvas

 

O relvas é bicho antigo, escorpião de Alcácer Quibir, e não há herbicida que nos valha.

 

O relvas é neto do dantas, carrega o gene falhado das gerações bandidas.

 

O relvas não marca passo, anda para trás.

 

Não se mate o relvas, não sujemos as mãos, que para meliantes já nos basta o séquito do relvas e ainda apanhamos uma doença ruim.

 

Mas dispare-se uma pistola de fulminantes, pólvora sem furo de bala, porque o relvas apodrecerá por dentro, sozinho, num lar de idosos de um banqueiro amigo do relvas.

 

Bang Bang, assuste-se o relvas.

 

Uma geração que grama com o relvas é uma geração ajaezada para o velório da decência, cavalgada pela mesquinhez, vergastada pela mediocridade.

 

O relvas é o Mister Burns depois da explosão da central nuclear de Springfield.

 

O relvas é a centopeia dentro das galochas da criança que vai para a escola.

 

O relvas é o carro alemão de grande cilindrada, as parcerias público/privadas e as derrapagens orçamentais.

 

Bang bang, pregue-se um cagaço ao relvas.

 

O relvas não tem obra feita e mesmo que tivesse não deixaria de ser um relvas.

 

Por onde o relvas passa, agonizam ervas daninhas e colapsam eucaliptos.

 

O relvas contradiz o aforismo que garante que o poder é afrodisíaco.

 

O relvas faz-nos emigrar, faz-nos desesperar, faz-nos desistir.

 

O relvas é mau para a tosse, dá mau nome à vizinhança, estraga qualquer festa.

 

Bang Bang, alguém grite, quando o relvas for almoçar ao Eleven.

 

O relvas deixa comichões no corpo.

 

O relvas distrai-nos do pôr-do-sol, dos filhos, dos amigos, é tóxico porque acumula nas raízes tudo o que está mal, é uma metáfora parola para décadas de descaso, manipulação e síndrome de porteiro de discoteca.

 

O relvas é igual a tantos outros relvas. Nem nisso é original.

 

O relvas dá mau nome à relva, estraga-nos as fantasias campestres como se fosse um empreendimento construído em zona protegida.

 

O relvas nem se pode fumar porque não dá onda, só dores de cabeça.

 

Se não joga golf, o relvas devia jogar, porque lhe assentará tão bem como uma condecoração daqui a dez anos, atribuída por um presidente amigo e compincha do partido do relvas.

 

O relvas é um Sócrates. Um José Sócrates.

 

O relvas é pernicioso porque nos obriga a escrever manifestos quando podíamos estar a pisar a grama.

 

O relvas faz-nos preferir a grama.

 

O relvas prefere a grana.

 

Portugal, que com todas estas urtigas conseguiu a classificação de país devedor com sintomas de depressão, mas sem guita para a terapia ou comprimidos; Portugal: país exportador de almas esgaçadas, com o rabo preso na europa e o nariz a farejar o atlântico. Portugal de relva seca, cimento armado, centros comerciais recordistas e vira o disco e toca ao mesmo, oh Portugal, ficas mais pequeno, visto de longe, com esse relvas a puxar-te as rédeas, cagando tudo no caminho. Mas um dia, um dia relvas, a grama será mais importante que a grana, e descerão a tua estátua lá na praça da aldeia onde nasceste, e Portugal voltará a ser qualquer coisa mais verde, qualquer coisa com mais esperança e gente limpa.

publicado por Hugo Gonçalves às 15:07
link do post | comentar
3 comentários:
De Exilado no Mundo a 30 de Maio de 2012 às 15:42
Brilhante!
De Sofia a 1 de Junho de 2012 às 20:44
Muito bom. Muito bom, mesmo! O cavalinho do relvas deu-me a estocada final.
De muyto mau mesmo a 1 de Junho de 2012 às 21:52
é animalesco querer exterminar os vegetaes que dão sustento à cadeia alimentar

o que seria o governo sem umas relvas o que seria o nosso campo de futrebol nazionale só com relvas sintéticas importadas da china

é que mortas as relvas com agente laranja ou rosa

há aí uns roseirais muy peores que as relvas e con mais ares de levarem as suas lojas de floristas

a acabarem com as lojas das casas de pasto


mai bale uma relva na mão que um par de tu mates arrancados

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever