Segunda-feira, 28 de Maio de 2012

a guΣrra

Não se pode falar de admiração; é mais uma perplexidade permanente e sem remédio. Quem são estas pessoas que percebem de Excel e que está por trás delas?

 

É a actualização do velho choque civilizacional entre os miúdos que iam para letras e os que iam para as ciências. Não havia meio-termo, então. O liceu tinha essa doutrina maniqueísta sobre a espécie: ou se sabia duma coisa ou se sabia doutra. Não havia uma terceira via nem hipótese de acumulação. Era preciso escolher de que lado se estava.

 

Essa guerra separou famílias e amigos. No pátio, à mesa do café, no bairro, pareciam todos iguais – jogavam os mesmos jogos, riam das mesmas piadas, disputavam as atenções dos mesmos rapazes e raparigas – mas, depois, esvaía-se a ilusão. Chegado o momento da escolha, ela era tomada sem clemência. Não se conheciam vizinhos nem primos; uns alistavam-se num exército e outros noutro e, a partir daí, agiam em conformidade. Da memória da pessoa de letras desaparecia subitamente toda e qualquer noção matemática elementar ou princípio das “Ciências da Natureza” aprendido aos dez anos: vertebrados e invertebrados, mundos animal, vegetal e mineral, fórmulas químicas mais complexas do que H2O e – oh! Requintes do demo! – contas de dividir. A de ciências, em compensação, conservava apenas uma vaga recordação de como se lia e escrevia. Lembrava-se de uma distinção misteriosa entre vogais e consoantes. Sabia da existência dum escritor chamado Eça de Queirós, mas ninguém lhe tirava da cabeça que “Os Maias” tinham sido criados como um instrumento de tortura para obrigar conspiradores políticos a confessar.

 

A invenção do Microsoft Office foi a certificação do cisma: os meninos de letras podiam brincar com o Word; os de ciências com o Excel. Com muita sorte e algum amor, talvez confessassem partilhar uma secreta atracção pelo Minesweeper.

 

Isso não passou. Já me têm pedido listas de qualquer coisa. Se as faço chegar num ficheiro Word, precipito o apocalipse. Um exceliano louco grita do outro lado que não sabe o que fazer com aquilo e que agora como é que vai ser, alguém ligue para a Gulbenkian a ver se eles lá têm especialistas que consigam converter aquela monstruosidade numa folha de cálculo.

 

Aparentemente, estas pessoas não conseguem ler uma palavra a menos que ela esteja dentro do quadrado duma tabela. “Os Lusíadas”, por exemplo, todos encaixadinhos num grande quadro de dupla entrada, revelar-se-iam, de repente, diante deles, em todo o esplendor. Sem isso, são um manifesto irracional debitado por um extraterrestre anarquista certamente movido por intenções pérfidas.

 

O contrário também é válido. Pessoalmente, suspeito de qualquer indivíduo que me envie um ficheiro Excel. Penso que está a pôr-me à prova. A ver se me denuncio como membro de uma sociedade secreta dirigida pelo Grande Excelómano do Universo. Desconfio que, introduzindo palavras secretas, cada quadradinho daqueles se abre e revela quem matou JFK, se Camarate foi atentado ou acidente, provas incontestáveis sobre que querem, afinal, as mulheres.

 

Mas não me dobram. Fecho a coisa e mando um email de resposta com um ficheiro de Word onde se lê, repetidamente, qualquer coisa adulta como “Figas-figas”.

 

Imagino-os a desesperar do outro lado do computador, tentando introduzir aqueles caracteres na calculadora científica, na ânsia de que lhes tirando a raiz quadrada, obtenham qualquer coisa inteligível.

 

É uma guerra fria cruel que se passa em segredo em andares e andares de escritórios. Mas cuidado com os agentes duplos: aqueles génios do mal que conseguem encaixar gráficos em ficheiros de texto. Têm a mania que são muito bons, os sobredotazinhos. Estou agora mesmo a aplicar-lhes o velho manguito. A ver se fazem melhor.

publicado por Alexandre Borges às 07:07
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever