Domingo, 13 de Maio de 2012

A vida tem morte a mais

Claro: somos crescidos, já sabemos como é. Nascemos, morremos, coisa natural, «é a vida» como somos ouvidos a dizer estupidamente nos velórios dos nossos parentes.

É a vida mas é o caralho.

Da vida rejeito a morte. Entendo-a, lido com ela, tenho até a dádiva da Fé. Mas não me obriguem a aceitá-la, não me obriguem a resignar-me num final tão chocho, tão previsivel, tão foleiro.

 

Eu escrevo zangado. Estes dias têm levado muitos que conhecia e privei. Leio dilacerantes declarações públicas de amor de um amigo e mentor e, mesmo através daquela sábia e terrível beleza, percebo o desespero, o náufrago envergonhado que anuncia a deriva que sempre sucede à perda.

O que nós contemos é demasiado para acabar. Acredito que a imortalidade possa ser uma grande maçada, ainda por cima sabendo que nós humanos não somos flores que se cheirem. Mas admitamo-lo: viver sabe a pouco, mesmo quando se morre de excesso de vida.

 

Não há refúgio possivel nestas alturas: leio Unamuno, leio Séneca, leio a minha Bíblia e não há santuário nem consolo. Depois passa. Mas volta, volta sempre.

Estou zangado. Apetece-me grafittar esta cidade que está luminosa com a frase do Sénancour: «Se é do pó que viemos e é para o pó que vamos façamos que isso seja uma injustiça». Mas em vez disso tenho de fazer um perfil jornalístico de alguém que conheci e gostei e reler as suas entrevistas antigas e voltar a reencontrá-lo nas palavras que sobreviveram ao pó.

Eu sei que a vida é injusta. Mas não me obriguem a aceitar a morte.

publicado por Nuno Miguel Guedes às 02:21
link do post | comentar
5 comentários:
De cs a 13 de Maio de 2012 às 08:40
a morte que a mim já me levou tanto que até parece que de mim levou pedaços não a quero por companhia.

A crueza com que me presenteia a finitude da vida e a sua própria eternidade faz-me zangar , também.

cs
De andreia am a 14 de Maio de 2012 às 10:32
Assino por baixo Nuno.
De Sofia a 14 de Maio de 2012 às 19:51
"A vida tem morte a mais"
Não precisei de ler o texto para saber que ia gostar.
De José Maria Barcia a 7 de Junho de 2012 às 16:28
Meu caro Nuno, grande texto. A morte é, de facto, uma coisa que não se pode aceitar. Sabendo de antemão que ela vai chegar, quando chegar não vai ter vida fácil. Rejeite-se a morte. Se possível esmurre-se a morte. Ela não merece menos. E quiçá, aí, seja mais fácil encarar a morte - como uma inimiga que não queremos deixar de ter.
De Carla Ferreira a 7 de Junho de 2012 às 20:06
Muito bom texto.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever