Sexta-feira, 4 de Maio de 2012

Morrer à míngua

Existe uma cultura generalizada de que não se deve pagar a cultura. E não, não falo apenas do Estado, do vilipendiado Estado nestes dias em que o premiado cinema português espera o apoio que está, muito troikianamente, a perder (e bem merece tê-lo, caramba! - dentro de um quadro mais justo, claro, e com composições de júri e opções mais equilibradas nos Olimpos cinéfilos). Falo também das pessoas - isso: os cidadãos - que querem demasiadas vezes ir ver espectáculos sem terem de pagar os míseros euros dos bilhetes. "Não se arranja um bilhete à borla?". Não. Não se arranja. Ou não se devia arranjar. Porque o bilhete muitas vezes até só custa três euros (há cada vez mais espectáculos a custarem isso) e, em vez de gastar os trocos no croissant com queijo e a meia de leite da manhã, é bom pagar aquilo que se vai ver, seja um espectáculo de teatro, um filme ou um festival de bandas alternativas. Porquê? Porque é justo pagá-lo. E por uma questão prática. Porque, se se assim não acontecer, deixa de existir palhaços. Ou performers. Ou actores. Ou realizadores. Ou técnicos de som e pós-produtores. Simples. Acabo de fazer um filme com meios mínimos e sei o que custa: temos sempre de andar a puxar a carroça e a entusiasmar os participantes - entre técnicos e criativos - de que vai valer a pena o esforço. Com frequência entre a meia-noite e as quatro e meia da manhã, que é quando eles, generosamente, arranjam um tempinho, fora dos horários de trabalho, para contribuirem para a causa. Basicamente não funciona. Ou funciona muito mal.

 

Muita da cultura custa dinheiro a fazer. E por isso deve ser paga. É esse o ponto, ou o meu ponto. E - admitamo-lo sem merdas - "a cultura" é um gesto essencial à nossa sobrevivência. Conheço pouca gente capaz de sobreviver sem arte, sem ouvir e ler histórias, sem se emocionar com a recriação das suas vidas - das luzes e sombras disto de andar vivo - que as várias modalidades artísticas (desculpem a pompa) permitem.

Fui ver o "Tabu" e encontrei a salas cheia e com uma reacção atenta e entusiasmada. E, meus queridos (falo para todos, até para mim próprio), os "tabus" pagam-se. Custam dinheiro. É preciso pagar ao pessoal para os fazer - desde aquele que teve a ideia inicial ao que fez os apuros finais, mesmo antes da entrega da primeira cópia para exibição. Não aparecem feitos. Se queremos continuar a vê-los é importante que se promova ideia - seja através do Estado, seja através dos privados, seja através dos espectadores - de que é decisivo pagá-los. Sem isso podemos morrer à míngua. De cultura. Que é uma forma particularmente indigna de morrer.

publicado por Nuno Costa Santos às 11:21
link do post | comentar
4 comentários:
De Mestre Hirão a 5 de Maio de 2012 às 21:25
Tem toda a razão: a cultura vê ser paga. Ainda há alguns dias paguei 5 euros para ver em Leiria no teatro O Nariz uma peça que teria pago 10 euros se os tivessem pedido. Mas não teria feito o mesmo com o filme "branca de neve" do João César Monteiro. O problema meu caro amigo, é que a cultura de que muitos falam é aquilo que lhes apetece fazer enquanto bebem a meia de leite, mas depois de espremido apenas sai o mijo. E os "artistas" da cultura são os primeiros a pedinchar o bilhete á borla.
De abrocs a 8 de Maio de 2012 às 21:34
Lá vem o velho argumento do "Branca de Neve" ... e dos artistas entre aspas.
E tambem se calhar que a minha filha de 3 anos tambem pintava assim etc... é tudo muito previsivel..
E então a solução é exterminar um sector porque há uns anos houve um grande realizador que resolveu gozar com o sistema?
Acaba-se com a pintura abstracta porque a minha filha de 3 anos também é capaz de o fazer ?
Por essa ordem de ideias não havia futurismo, fauvismo, impressionismo etc...
Eh pá oh Van Gogh não pintes mais que tu és um parasita e os teus quadros ninguem os percebe , oh Fernando Pessoa deixa-te de merdas pá isso não dá dinheiro , ninguem quer ler isso...
Eh pá não me falem de jazz...etc... Cinema? Mata-se já! Ou então damos dinheiro ao Nicolau Breyner ou a filmes do genero Second Life falados em inglês porque isso é que os estrangeiros vão gostar..E vão dizer : eh pá isto é tão bom que nem parece português.

De Mestre Hirão a 10 de Maio de 2012 às 07:47
Não me parece que o Van Gogh, o Fernando Pessoa ou qualquer um dos protagonistas desses ismos todos, tenham recebido subsidios.
E esse tal realizador que resolveu gozar com o sistema devolveu os subsidios ou só ele é que gozou?...
De abrocs a 10 de Maio de 2012 às 13:22
Por acaso Van Gogh era subsidiado pelo irmão , pode-se dizer . Não foi o realizador que ficou com o dinheiro e sim o produtor, Paulo Branco, se se informar melhor saberá que o dinheiro é (era) atribuido a produtores, pode-se concorrer como realizador mas o Ica só dava dinheiro a produtoras. OU seja ganhando um concurso como realizador teria sempre de se apresentar um produtor. Daí não fazer muito sentido concorrer em nome individual.
"Tabu" filme subsidiado tambem pelo Estado francês , brasileiro e em minoria português já foi vendido para 28 países. Nenhum filme dito comercial feito em Portugal passou para lá de Badajoz.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever