Quarta-feira, 11 de Abril de 2012

Heterossexuais Contestatárias

Depois de me emocionar com a prosa do arquitecto, no Sol, sobre"Os Homossexuais Contestatários", inspirei-me no seu texto para retratar outra maleita dos tempos modernos.




À minha frente, no elevador, está uma mulher de 34 ou 35 anos. Pelo decote, emissão de feromonas e pela forma como balança o pé dentro do sapato de salto, percebo que é heterossexual.

Estamos no elevador do Shopping da Gávea, no Rio de Janeiro, e sim, vou começar com detalhes descritivos como: trabalho naquela zona, subo e desço a rua muitas vezes, gosto muito de subir a rua, e de descer também; bebo um copo de água a meio da manhã; a Gávea é um lugar com muitas mulheres bonitas; não sei porque as mulheres bonitas escolhem certas zonas da cidade, mas, de facto, ali nos cruzamos com muitas mulheres bonitas – quase tantas como gays no Chiado.

(Se eu escrever assim e explicar tudo muito bem explicadinho, contando a minha vida desde que lavo os dentes de manhã até que ato os cordões das meias de dormir à noitinha, fica tudo mais claro e a minha singular voz literária permanecerá para sempre na cabeça dos leitores tal como a minha prosa nobelizável perpetuará sua luz nas bibliotecas do mundo inteiro.)

Julgo ser notório que a comunidade heterossexual feminina tem vindo a crescer não só no Rio de Janeiro, mas em múltiplas metrópoles – e a maioria queixa-se do elevado número de homens hetero imprestáveis para um namoro de verão, quanto mais para casar e ter filhos. Elas estão aí e são insolentes. 

Como todos sabemos, caiu o muro de Berlim, o Fidel patina, eu li muitos livros que explicam isto, a juventude é rebelde e agora já fiz um enquadramento histórico para concluir brilhantemente que: ser hoje uma mulher heterossexual de 30 e tal anos, solteira ou sem parceiro, é moda ou uma forma de contestação. 

Uma amiga minha pensou fazer uma tatuagem, participar numa manifestação a favor da legalização da maconha ou fundar uma banda de punk rock, mas depois, influenciada por amigos e pelas celebridades que assumem a sua heterossexualidade em público, resolveu ser uma trintona nos píncaros da prestação sexual, sem parceiro permanente e orgulhosa da sua condição (ela ainda não decidiu se é uma doença, se é assim porque é assim, ou se é apenas vulnerável às tendências da estação). 

Durante anos, as mulheres heterossexuais de trinta e tal anos tiveram de viver num sistema que não permitia que se assumissem, muitas casavam e tinham filhos para escamotear a sua condição. Conheci umas quantas que, muitos anos mais tarde, largaram tudo e saíram do armário. Sem as lutas ideológicas da Guerra Fria, sem o confronto geracional de antanho, a insolência maior é agora ser uma mulher heterossexual de trinta e tal anos.

Quando olho para a mulher no elevador, para a forma como ostenta a sua heterossexualidade, o peito apertado, as pernas lisas e altas, não posso deixar de pensar que a sua opção é uma forma de negação radical, porque rejeita a relação homem-mulher como ela deve ser. O macho passa a ser o caçado. E a verdade é que, naquele elevador, me senti como a zebra coxa cruzando o território da leoa. 

Esta mudança de paradigma, em que o homem é usado para satisfação da mulher sem fins de procriação, é um caso bicudo de niilismo, uma ausência de continuidade da espécie, como o insecto fêmea que come a cabeça do macho no final da cópula. 

Sempre que uma mulher heterossexual de trinta anos tem relações com um homem sem envolvimento emocional e gravidez subsequente, morre um marinheiro no mar. E se uma dessas mulheres tem relações com outra mulher, então nesse caso morrem três fadas, dois atuns e um unicórnio.

Além de nociva, a exposição da heterossexualidade destas mulheres é, para concluir, uma moda, uma birra, um acessório no kit da noite, uma forma de chamar à atenção. 

Moral da história?

Talvez o que dizia aquele grande gayzão, Oscar Wilde:

“The only thing worst than being talked about, is not being talked about”

Tradução muito livre: ser polémico é melhor que ser apenas nulo.

 

Moral da história 2: You go girls.

 

publicado por Hugo Gonçalves às 14:41
link do post | comentar
9 comentários:
De wapy a 11 de Abril de 2012 às 16:12
Isto deixou-me feliz a vários níveis :)
De manuela silva a 11 de Abril de 2012 às 16:45
De Antonio Pinto Ribeiro a 11 de Abril de 2012 às 21:18
BRAVA! Perspicácia deliciosa.
De Me a 11 de Abril de 2012 às 22:56
Fabuloso.

Léguas acima do nível do dito senhor.
De Slinkman a 12 de Abril de 2012 às 00:05
Grande resposta! Muito bem! Excelente!
De andreia am a 12 de Abril de 2012 às 12:57
Clap clap clap clap clap clap! Muito bom. Inteligência e humor a melhor das combinações.

(Fui ler o outro... P'LOAMORDASANTAVALHA-MEdEUSEstamosemqueséculoOndeéqueeuestouOqueéistofoda-se? é o que se me oferece dizer.)
De lidia martinez a 12 de Abril de 2012 às 15:06
porque é so me ri...no " morrreram três fadas e..."
o resto... como sou une femme à barbe, nao percebi.
sou loura, certo?
Ah, o vosso inesgotàvel Wilde ...
le mysogine de service dito genial
e servido à toutes les sauces.
o artigo do outro senhor,
nem sei o que dizer mais,
tudo isto é risible e fora da realidade
da vida das pessoas, gays, lésbicas, bis,
transsexuais etc e tais.
Mulheres de trinta que se oferecem toys
em vez de um gajo que as manda lavar a loiça
e passar a ferro, ou de apanhar com o ferro na ...cara.
Tenho o dobro e nem toy nem vero,
poupem-nos,nao analisem mais, por nos...
nao se julguem engraçados,
jà nao o sao e estamos mal fodidas hà séculos!!!!
Mortas e mal ...odidas. Prontos, nao era pra rir???
...nao percebi, mas nao tenho problemas com isso.
Và, escapou-me...quando escreverem coisas que sao inteligentes e com humor ...nao des ponciifes, call us.
Bye! LM
De Gin Tónico a 16 de Abril de 2012 às 11:36
Quando os textos são bem escritos...dá nisto! Clap Clap Clap
De Maria Torgal a 20 de Abril de 2012 às 13:51
Adorei o texto
Se os marinheiros morrem....
temos pena

os poetas...sobrevivem....

os mesmo safados também....

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever