Sexta-feira, 16 de Março de 2012

Estou com estes

Perdoem-me este quadro a preto e branco, mas entre o cinismo e a ingenuidade, escolho a segunda. Prefiro escolhas ingénuas a grandes análises problematizantes. Já me embrenhei no campeonato das problematizações, sim, já gastei muita saliva e muito teclado de computador a pôr entraves a tentativas de tornar isto um lugar mais aceitável, habitável e transmissível para os novos. Mas deixei-me um pouco disso e espero não voltar à condição. Não me peçam por exemplo para não acreditar em qualquer gesto de solidariedade pessoal e social. Não me enredem em problematizações sobre "o dinheiro todo e os interesses que estão por detrás das organizações humanitárias". Não. Por favor. Não me digam que pedir melhores condições para os pobres é "um desporto da burguesia bem pensante". Deixem-me ser crédulo e estar do lado de quem faz. Quero morrer criança, como a Agustina. Acreditando que aquilo dos contos de fadas pode existir um pouquinho na vida de todos os dias.

 

Sim, prefiro enganar-me a aderir ao cinismo, essa prisão cada vez mais perpétua para tanta e tanta gente generosa mas bloqueada. Acredito na prudência, que é outra coisa. Mas numa prudência que quer construir, não aquela que paralisa. Não a que passa a vida a colocar entraves. Não a que azeda a mais genuína das intenções. É um pouco como dizia o Ferreira Fernandes no outro dia, a propósito daquela iniciativa de um conhecido festival sobre os sem-abrigo que "davam" acesso à internet, muito criticada pelos fóruns: "Entre os chiliques dos apóstolos do dever ser e os dadores de soluções, mesmo que transitórias e pueris, estou com estes". Eu também estou com quem tenta uma solução, mesmo que contingente, mesmo que com fragilidades e flancos abertos.  Com quem faz vídeos sobre os senhores da guerra, mesmo que estes já tenham desaparecido do mapa, com quem denuncia crimes contra gente indefesa, mesmo que depois se venha a saber que recebeu fundos de organizações inacreditáveis. Estou com aqueles que atravessam a rua para ajudar um cego, mesmo que depois o cego seja um falso cego e acabe a rir-se na cara deles. Como tantas vezes acontece.

 

publicado por Nuno Costa Santos às 23:46
link do post | comentar
1 comentário:
De andreia am a 18 de Março de 2012 às 23:10
Subscrevo!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever