Sexta-feira, 9 de Março de 2012

O decantador

Acontece-me ouvir o último de Leonard Cohen, "Old Ideas", ao mesmo tempo que leio um livro sobre o bicho ("Leonard Cohen - O Eterno Regresso", Guerra e Paz, que comprei recentemente a preço de saldo). É como se estivesse a tentar percebê-lo com duas bússolas - como se estivesse a seguir o rasto do homem e do personagem no cruzamento dos maturados versos de "Old Ideas" com as suas próprias palavras e com as conclusões do autor do livro, Marc Hendrickx. Há dados que já sabia. Mas sabe bem voltar a sabê-los, voltar a encontrá-los, num lento processo de reconhecimento que tenta respeitar a boa lentidão das procuras de Cohen.

 

 

 

 

 

Há, sim, há muitas camadas em cada uma das canções de "Old Ideas". E há, o mais difícil de tudo, frescura. São frescas estas ideias velhas. Como se Cohen estivesse a cada passo a libertar-se da ganga e dizer as palavras que merecem ser ditas, porque essenciais.  Estão aqui alguns temas antigos - o amor, da carne e do espírito, o regresso e a compaixão, o pedido de compaixão para todos nós. E uma pintura irónica sobre tudo isto. O sofrimento foi transformado noutra coisa. São palavras sábias aquelas que são ditas por este "lazy bastard". Não lhe importam as opiniões, mas aquilo que sobrevive depois do verbo fácil: "Não preciso de organizar nenhum sistema que se respeite a si mesmo ou de exprimir um ponto de vista claro". Cohen chegou àquela fase em que percebe a relatividade de muitas das opiniões que defendemos inflamadamente, como se disso dependesse a nossa identidade. "Tudo o que tenho de fazer é dar informações, de tempos a tempos, com a maior clareza possível".

 

"Old Ideas" traz mais uma vez a sua impura clareza. A sua incapacidade para plagiar dogmas, tradições e religiões por ter uma lente muito própria, uma forma muito sua de decantar o mundo. É o homem que esteve no mosteiro mas que sabe - e diz - que o seu ligar é a rua, é a vida. Para falhar melhor, como dizia o outro. E cantar o falhanço  - e o gesto de se levantar e olhar em frente - com aquela elegância que se lhe conhece.

publicado por Nuno Costa Santos às 21:43
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever