Sábado, 3 de Março de 2012

cortar o pio à crise

Quem assiste à crise portuguesa sentado num apartamento londrino não deixará de ficar com a impressão de um verdadeiro êxodo rumo a outras paragens. Num fórum de portugueses emigrados chegam quase diariamente novos membros. Na rede Couchsurfing também se repetem os pedidos de portugueses. Alguns querem simplesmente dicas e uma ou outra ajuda, outros querem um sítio onde ficar antes de se lançarem à aventura. Uma verdadeira aventura, porque saem sem nada definido e aproveitam os dias aqui para procurarem trabalho, irem a entrevistas, com a esperança de não terem de utilizar o bilhete de volta.

 

Mas há muitos bons exemplos ao virar da esquina portuguesa. E é nesses que me quero concentrar. Agarrar-me às hipóteses que vão sendo construídas. Porque tanta má notícia só pode paralisar. Gosto de ouvir falar dos projetos de amigos que não caíram na desesperança, que criaram empresas e desenvolveram ideias – a maioria por necessidade, é certo – e que estão a dar os primeiros frutos. Sentados em Portugal, apostam e conseguem competir no mercado internacional. E os bons exemplos continuam: apesar da moribunda produção cinematográfica independente, o João Salaviza saiu de Berlim com um Urso de Ouro e o filme “Tabu”, de Miguel Gomes, também venceu uma estatueta. Profissionalmente, somos muito bem vistos aqui no Reino Unido, se calhar porque estamos habituados a longas horas de trabalho. Leio também que muitas empresas de têxteis estão a abandonar a aposta na mão-de-obra barata chinesa e a voltar a investir na qualidade portuguesa.

 

E ainda poderia falar na coragem de muitos: aqueles que fazem ouvidos moucos às precauções e se despedem para concretizar ideias que há muito os habitavam. Abrem cafés e lojas, hostels e revistas. Há ainda quem diga agora ou nunca e ensaie novos estilos de vida, concretize projetos jornalísticos muito interessantes, viaje à volta do mundo com os filhos ou decide que está na altura de largar tudo e desenhar os próximos cinco anos nos cinco continentes. Apesar da época de incertezas, ou se calhar por causa dela, continua a haver pessoas decididas em seguir novos rumos. Não será certamente fácil para nenhum deles. Mas invejo-lhes a coragem. Não sei se faria o mesmo se tivesse um emprego certinho. Apesar de há muito não saber o que é ter um emprego certinho. O último que tinha acabou quando a editora faliu no início deste século. Na altura já se falava de uma crise na Europa. Tenho a impressão de que nos vamos ter de habituar a ela, pelo que se calhar valerá a pena deixá-la a falar sozinho (ou mais baixinho) quando estão em causa decisões pessoais. Ainda não encontrei a melhor maneira de o fazer, confesso. Mas lá chegarei, lá chegarei.

 

publicado por Ricardo Correia às 11:37
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever