Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2012

carnavais

Indigna-me que se tenha acabado com o feriado do Carnaval a pretexto da crise económica. O feriado do Carnaval deveria ter sido abolido simplesmente porque sim. Aliás, a bem da civilização, seria mesmo de considerar abolir o fim-de-semana que precede o Carnaval. Ou todo o mês de Fevereiro, não fosse o Diabo tecê-las.

 

Vejamos: que acontece no Carnaval? Geralmente, machos de todos os bandos aproveitam a deixa para, alegadamente, se vestir de mulher. Haveria com certeza muito a dizer acerca do que espoleta este comportamento, mas quedemo-nos pelo resultado: estas criaturas não ficam parecidas com mulheres. Nos casos melhor sucedidos, parecem o fruto do amor proibido entre o Batatoon e a Belle Dominique.

 

As crianças mascaram-se de bruxas e super-heróis, os pais gastam uma fortuna com fatos que jamais voltarão a ser vestidos e os que não vão na lenga-lenga mandam os filhos para a escola com um daqueles apetrechos que consistem duns óculos de cientista louco, acoplado a um nariz de taberneiro, rematado com um bigode à Toni, traumatizando a criançada até ao fim dos seus dias (sei do que falo, aconteceu-me na segunda ou terceira classe).

 

As mulheres vestem-se de princesa, fada, anjo, qualquer coisa que lhes permitiria uma noite perfeita de romance e sedução se ao menos um dos homens das redondezas não estivesse vestido de travesti.

 

Uns e outros atiram água e adereços mal-cheirosos e dançam ao som das piores canções da História (Como é que é, Sinusite? Quero ouvir: “Eeeeeeeeeehhhhhhh, meu amigo Charlie…”) em sítios adornados com balões que espirrarão saliva desconhecida quando forem rebentados – que serão – e fitas coloridas, ítem produzido sabe-lá onde e com que fim, tão útil como – vamos ver – um rebobinador de dvds.

 

Fora isto, há um estranho clima de guerra entre as 320 localidades que reclamam para elas o título de Carnaval com mais tradição do país. Aí, o festival de horrores atinge os píncaros: dos cabeçudos passeados de ano em ano (as figuras de Cavaco e Soares já devem ter mais Carnavais na espinha do que a Xuxa), estrelas recrutadas em reality-shows mesmo antes de voltarem para a sarjeta acenando do topo de carros alegóricos que fazem uma chaimite parecer um clássico da elegância automóvel e jovens roliçadas seminuas que se saracoteiam entre a cacimça e a pneumonia.

 

À margem, há um grupo de intelectuais que não participa no espectáculo. Diz que não gosta do Carnaval, excepto – atenção – o de Veneza. O Carnaval de Veneza?! Mas alguém saberá o que acontece no Carnaval de Veneza além de a malta se vestir à filme de época e pôr umas máscaras – admito – giras?

 

Por fim, quem souber que responda para esta caixa de comentários: no Carnaval, festejamos exactamente o quê? (respostas do género “a vida” ou “a alegria” serão automaticamente reencaminhadas para o site do Ministério da Saúde) Qual é a efeméride? O acontecimento? A razão? Aonde nasceu isto? Que tem a ver connosco? Por que não celebramos também o dia de acção de graças e o ano novo chinês e a tomada da Bastilha?

 

Era preciso alguma desculpa para acabar com isto?

 

P.S.: De repente, imaginei o Hugo lá no Rio a catequizar a multidão: “Deviam ver como é que a gente faz isto lá em Ovar…”

publicado por Alexandre Borges às 01:26
link do post | comentar
6 comentários:
De scriabin a 20 de Fevereiro de 2012 às 10:32
Alexandre Borges, as origens do carnaval, razões, etc, estão documentadas e tenho a certeza de que existem milhares de sites sobre o assunto, por aí. Vai também descobrir porque razão comemoramos o carnaval e não o dia de acção de graças, a bastilha, porque é que não somos quase todos louros como os finlandeses, e outras curiosidades.
Mas há qualquer coisa de comovente nesta manifestação de ignorância pueril. Parece aqueles miúdos que perguntam ao pai: Pai, porque e que chove? Filho, acho que já está na altura de aprenderes a usar a tua enciclopédia, que foi tão cara. ;)
De Alexandre Borges a 21 de Fevereiro de 2012 às 13:24
Claro. Que puerilidade. Andar mascarado é que é coisa de adulto. E imitar tradições alheias sinal de maturidade dum povo.
De Isa a 20 de Fevereiro de 2012 às 13:59
Agora que vos leio pelo reader, raramente comento, apenas faço uns +1 avulsos ;)

Olha, vergonha alheia desse povo do carnaval, vergonha alheia.

mas a bateria, pergunta ao hugo, a bateria é um negócio impressionante. sapucaí rocks

de resto, acho meio decadente...

De Alexandre Borges a 21 de Fevereiro de 2012 às 13:26
Andava a estranhar a tua ausência... Lê-nos onde quiseres, desde que leias... Beijinhos.
De Isa a 21 de Fevereiro de 2012 às 19:33
A ti, sempre ;) aqui e no 31.
E ao PML também, que lhe acho imensa graça, apesar de ser do FCP e de não me ligar a ponta de corno :p
e tu sabes, eu adoro os sinusiticos :D
Bjooo
De Alexandre Borges a 21 de Fevereiro de 2012 às 21:36
:) O Pedro é assim. Um Adónis inacessível. Mas é bom tipo. Beijos!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever