Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2012

descansem em paz as meninas do karaoke

É um tempo que parece agora absurdamente distante. Um tempo anterior à incontinência televisiva dos concursos de talentos, quando o adolescente mais delirante não sonhava ser conhecido para lá do final da rua.

 

Nesse tempo de dois canais, anterior à fnac, à playstation e às boxes, às guerras de anúncios entre supermercados com pessoas pretensamente normais, à internet, aos telefones móveis e aos comments, a interactividade com os meios de comunicação resumia-se aos discos pedidos e o karaoke irrompeu como inimaginável vanguarda da tecnologia.

 

Nesse tempo, dizia – atenção que isto não é exactamente nostalgia – não havia grande escolha, mas, como sempre, enterrados no presente até ao pescoço, não éramos então capazes de o perceber.

 

É a recordação desses dias que volta com a notícia da morte de Whitney Houston, acidente há tanto à espera de acontecer (pelo menos desde que um tablóide revelou uma foto da casa de banho da cantora que me fez pensar que o tipo que vivia então comigo era, afinal, uma fada do lar).

 

Era o princípio dos anos 90, em que um só indivíduo conseguia dominar as listas de venda de discos durante mais de um ano e ainda acumular com recordes de bilheteira nos cinemas. Em que Fernando Pereira era o grande artista português e Kevin Costner o equivalente fin de siècle de George Clooney (eu avisei que isto não era um exercício nostálgico).

 

Nesses dias, parece-me agora, havia uma grandeza qualquer nos serões de karaoke. Deprimentes e épicos como só os serões de karaoke conseguem ser. Havia uma inconsciência de si que fazia com que todos fossem um pouco mais espontâneos, ridículos e comoventes. Ninguém tinha concorrido aos “Ídolos”. Ninguém tinha cinco mil amigos no facebook. Havia poucas lojas de marca. Uma pessoa avançava sem rede, com o pullover do avô e os ténis de imitação, as calças reviradas para cima e o cabelo à jogador da segunda B, e subia ao palco para cantar o “Blaze of Glory”. E isso era o auge. Isso era o momentum. Isso era o tudo ou nada.

 

Com sorte, passávamos com suficiente. Se não se tropeçasse no fio do micro nem distribuísse perdigotos pela primeira fila, se a jovem que queríamos conquistar não tivesse saído nesse preciso momento acompanhada dum jovem, já teria sido memorável.

 

Depois, porém, vinha sempre uma garota. Uma moça em que nunca tínhamos reparado, ar confiante, celebrada em antecipação pelas amigas, que chegava lá, entrava numa comunicação cósmica com que a Whitney e lá ia daquilo. “I Will Always Love You” ou “The Greatest Love Of All” ou qualquer coisa com “Love” e muito fôlego.

 

A sala ia abaixo,  Whitney Houston deixava o corpo da jovem que voltava para o seu lugar no anonimato e já ninguém se lembrava do nosso “Blaze of Glory”.

 

Agora, sabendo das notícias, só consigo recordar-me disto. Do pullover do avô. Dos dois canais. Das Whitneys do fim da rua.

 

Pergunto-me se lamentarão não ter havido, no tempo delas, tanto concurso de talento. Ou se, ilusão por ilusão, continuam a preferir os serões de karaoke, onde ninguém sonha saltar para o mundo de Sinatra, mas fazer precisamente o contrário. Trazer Sinatra para ali, entre minis e a província, canções do Tony Carreira e gente normal que compra nos supermercados promovidos por quem a tenta, sem sucesso, imitar.

publicado por Alexandre Borges às 01:28
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever