Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2012

previsão para o estado do tempo

Andei largos anos enganado com a ideia de que era o tempo a quintessência da vida. Julgo ter descoberto, por estes dias, justamente o contrário: a falta de tempo é que deve ser adorada como um deus.

 

É a falta de tempo que esculpe a verdadeira arte da sobrevivência. Sem tempo, não pensamos e, não pensando, não nos pomos perguntas e, não nos pondo perguntas, não fazemos aparecer problemas onde eles mais gostam de florescer: no nada. Sem tempo, vamos directos ao assunto, dispensamos conversas de circunstância, rodriguinhos, eufemismos e adiamentos. Se a conversa difícil vai doer, mais vale que doa já – e duma só vez.

 

Sem tempo, escapamos impunemente aos baptismos da prima, ao aniversário do coleguinha, à conversa do vendedor. Só nos detemos nas notícias realmente importantes, saltamos o suplemento de imobiliário e o dos empresários empreendedores. Dispensamos gastar dinheiro em livros que jamais leremos. A televisão é ligada em circunstâncias e com finalidades cirúrgicas (nunca mais programas de debate desportivo – só jogos do Benfica, em rigoroso directo e exclusivo). Todos os telefonemas que se podem resolver com um sim ou não assim serão tratados. Todos os emails de que não dependa o futuro da civilização ficarão sem resposta.

 

Sem tempo, um tipo descobre aquilo de que realmente precisa e aquilo de que quer mesmo cuidar. De quem lá está quando há e quando não há tempo, dos bichos de estimação que não têm culpa, das palavras dos amigos que não dispensa (incluindo certos escritores de canções e livros e filmes, a que se devem subtrair as revelações promovidas pelos especialistas a génios do mês).

 

O tempo é maravilhoso, mas demasiado fácil de perder.

 

Na falta dele, um tipo é  mais lúcido. Só leva o que tem de amar.

publicado por Alexandre Borges às 19:45
link do post | comentar
2 comentários:
De jorge c. a 2 de Fevereiro de 2012 às 13:24
Porra, Alexandre. A minha falta de tempo fez-me andar fora do blog e só agora vi que escrevi sobre o mesmo assunto. A tristeza está na falta de tempo, claro está.
De Alexandre Borges a 5 de Fevereiro de 2012 às 18:40
No prob, Jorge. Só tornou o teu ponto ainda mais eloquente. Abraço!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever