Domingo, 15 de Janeiro de 2012

Arqueologia dos afectos

O fenómeno é comum e não perdoa. Pode resumir-se assim: o cidadão está tranquilamente embarcado na sua vidinha e sem que nada o anuncie ou preveja – paf!, leva com o passado afectivo na cabeça. Este acontecimento pode revestir-se de várias formas: um rosto reconhecido, uma música antiga,  um cheiro familiar, ou, para os mais proustianos, um bolo seco. O resultado pode variar desde um simples suspiro (“ah, belos tempos”), uma rejeição (“que besta que eu era!”) ou o puro e duro embasbacamento. Quando este último acontece – como foi no meu caso, que contarei a seguir – só um conselho: se embasbacar não conduza.

 

Passou-se isto durante o simpático trânsito de uma Lisboa que ainda acorda e que acorda geralmente de mau humor. Entre o tráfego ensonado, olhar ainda por nascer, a telefonia do carro faz o favor de anunciar: “E agora, uma memoria musical: Gabriela Schaaf, e Leva-me ao cinema.” Ora, meus amigos: aos 15 anos eu estava perdidamente apaixonado por Gabriela Schaaf: a voz, os olhos, as epaulettes correctíssimas e oh so eighties. Por ela fiz a primeira das muitas figuras de urso que iria fazer por causa de uma mulher (e de que nunca me arrependi): levantei-me de madrugada para estar na primeira fila do cinema Nimas, onde Júlio Isidro emitia em directo a sua Febre de Sábado de Manhã. Nesse dia, Gabriela iria cantar e eu tinha de lá estar. Estive; e num gesto em que ainda hoje me pergunto onde fui buscar as forças e a coragem, subi ao palco depois das canções e fui pedir um autografo. Deu-mo, com um sorriso e dois beijos. Regressei a casa a flutuar e com a sensação que o filosofo DiCaprio tão bem descreveu em Titanic: “I’m the king of the world!”

 

Não sou propriamente um tipo saudososista ou mesmo nostálgico. Acredito no hoje perpétuo e estou grato por viver agora mesmo, neste tempo. Mas que certas coisas afagam a alma, ah isso afagam. Por isso mesmo, consigo ver agora com maior condescendência o amor que as jovens teenagers (e em particular a minha filha) nutrem por um grupo de rapazolas com cara de imbecis que se chama One Direction. Cantam o que parecem – um pop desenxabido mas eficaz – e fazem sonhar as meninas (em particular a minha filha, que escreve neste momento uma fan fiction e cuja conversação se tornou monotemática). Ao principio indignei-me: um pai com tão bom gosto, um educador da classe melómana e ela faz-me isto? Mas a Gabriela devolveu-me à realidade: precisamos de passar por isso. Esta entrega desmedida e absurda prepara-nos para outras que mais tarde nos irão, com sorte, atravessar a vida.

 

Anos depois também ela fará a sua arqueologia afectiva e se enternecerá com a péssima música que estes rapazolas fazem. E eu ficarei contente. Por isso, rapazes do One Direction: não abram essa carta sem remetente – ela está armadilhada e fui eu que enviei. Mas isso foi antes: agora queria mesmo dizer-vos obrigado. E um beijo, Gabriela!

 

 

 

para a minha filha Leonor

 

 

publicado por Nuno Miguel Guedes às 12:12
link do post | comentar
2 comentários:
De Luciana a 16 de Janeiro de 2012 às 21:36
Fico bem disposta quando leio textos em português tão bem escritos.
Parabéns! Continuem, por favor!
De Nuno Miguel Guedes a 17 de Janeiro de 2012 às 12:00
Pela parte que me toca agradeço, Luciana. A vantagem é que aqui ninguém sabe escrever mal.:)
Beijinho.
NMG

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever