Quinta-feira, 29 de Dezembro de 2011

Uma história de brinquedos

Ninguém me disse que Toy Story 3 era um filme maravilhoso. Foi o 3D, como grande factor de diferenciação, que mediatizou a estreia do filme, o que não me pareceu interessante. Se eu fosse distribuidor do filme diria "atenção, eis um dos mais belos filmes sobre a condição humana". Bem, em rigor, todos os filmes são sobre a condição humana. No entanto Toy Story 3 leva-nos para outro lugar, uma espécie de Neverland de onde, um dia, saímos, forçosamente, e que deixámos esquecida num baú. Dentro desse baú um outro mundo que imaginámos, que criámos e construímos com as pegadas do crescimento, passo a passo.

 

Deixei de brincar muito tarde. Lembro-me que os meus amigos já iam ao café e eu ainda jogava às escondidas na rua. No meu quarto, duas prateleiras de carrinhos da Majorette e da Matchbox. Sempre preferi os primeiros, talvez por serem carros normais, que via na rua. Havia mais realidade nas brincadeiras dentro de portas do que fantasia. Numa mochila verde, ao lado da cama, o resto dos brinquedos diários: playmobil's e gi joe's. Centenas de bonecos. Os Joe's eram maravilhosos, cabiam bem na realidade Playmobil e tinham muito mais mobilidade. Se fosse preciso simular um jogo de futebol, então...

 

Os bonecos estavam separados por grupos, independentemente da espécie, numa lógica mais maniqueísta. O território dividia-se entre o tapete, a cama e o chão. O tapete era a cidade principal, a cama a montanha ocupada por rebeldes e o mar o sítio das piratarias e do contrabando. Via imensa televisão. A soberania existia, assim como um poder político para a sustentar. Havia polícia, serviços e até um advogado. Todos tinham nome. Esta foi uma brincadeira contínua, que durou anos e que se foi, naturalmente, aperfeiçoando na sua própria narrativa. Ela representava, sobretudo, o meu próprio crescimento e a forma como eu olhava o mundo.

 

Quando mudámos de casa, a mochila foi directamente para a cave, dentro de um baú com os carrinhos e outros brinquedos. Foi um dia pesado em que percebi que tinha de crescer. Ter de crescer, por obrigação, é quase um crime. Mas, ninguém quer ser um puto para sempre, pelo menos aos olhos dos outros. Era essa a maravilha do quarto fechado: um mundo só para nós, que podíamos explorar sem olhares reprovadores e ridicularizadores. Com os bonecos definimos perfeitamente quem é bom e quem é mau. Temos essa certeza e nunca nos desiludimos. Inventamos o amor e somos felizes com o pormenores da nossa imaginação.

 

Ao ver Toy Story 3 recuperei, entre muitas outras coisas, um miúdo que estava dentro de mim, escondido; um miúdo que resolveu chorar com saudades de si mesmo, da sua espontaneidade e da sua dedicação a uma coisa simples como um objecto de plástico. Há coisas que nunca deveríamos esquecer.

publicado por jorge c. às 12:32
link do post | comentar
1 comentário:
De bee a 29 de Dezembro de 2011 às 13:17
Adorei o texto. Vi o filme quando estreou, com os meus filhos, e gostei bastante (não estava à espera), mas não conseguia descreve-lo desta maneira...

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever