Quinta-feira, 15 de Dezembro de 2011

A fuga de cérebros e a retenção da mediocridade: breve história de um país ocupado clandestinamente

Os ingleses gostam de dizer que a “cream always rises to the top.” Em Portugal, acontece o mesmo com a mediocridade. Para onde quer que olhemos, nos jornais, na rádio, na televisão, nos blogues, no balcão deste e daquele organismo público, nos centros de decisão e nas periferias de indecisão, no epicentro da burocracia ou nas réplicas da incompetência. Enfim, a cultura de mediocridade é hoje um traço característico do país. Isto torna-se óbvio quando percebemos que a maioria das pessoas com notoriedade, autoridade ou influência no espaço público são indivíduos que, ou não nos representam, ou não sabemos muito bem como ali chegaram. Mais cedo ou mais tarde, perguntaremos porque é que continuam ali.

 

Da opinião à comédia, passando pela política, pela cultura ou pelo folclore da fama, a mediocridade lusa continua a prevalecer sobre a meritocracia como se a sobrevivência da nação dependesse disso. É ao contrário, malta. Se o saber não ocupa lugar, a mediocridade portuguesa ocupa demasiados. Como costuma desabafar um amigo meu quando recebe cartas das Finanças: MORRAM. A sério. Desapareçam-me da vista. Desamparem a loja. Inexistam.

 

Eu tenho um sonho: que por cada holofote indevidamente apontado, possamos todos em breve contabilizar um cadáver mediático. A causa da morte, já perceberam, será a mediocridade. Imbuídos de boa vontade - demasiada - fizemos tudo o que podíamos para manter o paciente vivo: mudámos para o canal, votámos nele, subscrevemos a sua opinião, cantarolámos as suas músicas, e visitámos a sua exposição. Até que um dia, para bem dos nossos neurónios, deixámos de o fazer. E passámos a perguntar: quem é esta gente? No processo, tornámo-nos todos um bocadinho melhores. Sempre que alguém me fala da fuga dos cérebros, ou da retenção do talento, eu questiono-me: quantos talentos, ao invés de fugirem, não estarão simplesmente a evaporar-se, esvaziados por uma mediocridade reinante, orgulhosa e estacionada?

 

Pedem-me alegria de viver perante a adversidade; desafiam-me a ser empreendedor com a insistência do mais insuportável vendedor. Eu peço de volta: dêem-me um país com menos gente que ninguém quer ser quando for grande. Façam-me acreditar que vivo numa cidade com menos okupas: sim, porque a verdadeira ocupação clandestina vai muito para além do prédio devoluto. Encontramo-la na televisão, no parlamento, nas empresas, e onde mais vos ocorrer. É importante, senão vital, que o escrutínio público viva cada vez mais desta convicção. O inferno são os outros, mas parte do cancro somos nós.

publicado por Vasco Mendonça às 12:28
link do post | comentar
2 comentários:
De hidden persuader a 15 de Dezembro de 2011 às 12:35
Bom Vasco.
Como diria o Jorge de Sena "O importante não é salvar Portugal, mas salvarmo-nos de Portugal". (risos)
Tenho dias, ontem adormeci assim.
Bendita sejas, Pátria mal-amada (e mal-parida).
De Exilado no Mundo a 15 de Dezembro de 2011 às 14:26
Não há amor pátrio que compense o amor próprio!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever