Segunda-feira, 5 de Dezembro de 2011

O Mestre Telê Santana

Em vez da historieta introdutória seguida do corpinho intermédio e da tirada final, mato já a crónica: viva o amor.

O Telê Santana, nos anos 70 e 80, era unanimemente considerado o melhor treinador brasileiro. Ainda hoje é considerado um dos maiores treinadores brasileiros de todos os tempos, mas para o adepto comum de futebol foi o tipo que perdeu o campeonato do mundo de 82 com o melhor grupo de jogadores jamais reunido.

Há quem despreze o bom do Telê por ter perdido o campeonato, eu idolatro-o por ter tido a coragem de o perder. Sim, senhor, coragem. A coragem cega, irracional, suicida que o amor dá. Vejo o Telê naquele personagem, dum livro e dum autor que não recordo o nome, que sabia estar a ser envenenado pela sua amada e mesmo assim bebia sofregamente o veneno que ela lhe dava todas as noites.

Pois claro, o grande Telê não sabia que o Júnior não era defesa esquerdo. Também não sabia que era impossível ter um meio campo com o Falcão, Cerezo, Sócrates e Zico. Pois, pois. O homem que ganhou o campeonato mineiro para o Grémio retirando a hegemonia duma década ao Inter, o mago que transformou os italianos do Palmeiras numa equipa de respeito, que fez do São Paulo o melhor time do mundo, não sabia que nem que a vaca tossisse ganhava o Mundial com aquelas estrelas todas. É, o Santana era ceguinho. Não era, com certeza, ele que estava no banco quando o Brasil por um triz não se apurou para Espanha com exactamente os mesmos jogadores com que se apresentou na prova. Por favor. Ás tantas era um clone dele a orientar a equipa em 86, a tal que chegou à final com um conjunto de jogadores que nem para os calcanhares da de 82. Vão mas é lamber sabão.

O homem sabia que ia perder. Deve ter perdido noites inteiras de sono, angustiado, a antecipar os apupos, os insultos, as críticas. Que podia ele fazer? Faltar ao respeito aos deuses do futebol e atirar o Júnior para o banco, ou o Falcão, ou o Sócrates, ou o Zico, ou mesmo o Toninho? Vê-los ali todos juntos não valia bem um campeonato do mundo ? O Telê sabia que sim. Não há taça, torneio que compensasse um passe rasgado do Falcão, um nó cego mágico do Zico, uma revianga do Júnior, uma correria – sempre de costas direitas – do Sócrates. Ali, como se estivessem de novo num pelado a brincar ao futebol.

O Telê amava demasiado o jogo para nos privar de tudo aquilo. Há mais, muito mais, no mundo do que a vitória e a derrota. A arte, a beleza, valem milhões de vezes mais que uma taça, e o Mestre sabia-o.

Viva o grande Telê Santana.

publicado por Pedro Marques Lopes às 23:59
link do post | comentar
2 comentários:
De golimix a 6 de Dezembro de 2011 às 17:57
Esta idolatração por Telê Santana fez-me lembrar a idolatração pelo grande Pelé e muitas vezes se esquecendo do "O Anjo de Pernas Tortas" o Garrincha. Na altura em que eles faziam "figura" eu era pequena mas tenho assistido a alguns documentários e fico sempre fascinada quando vejo o Garrincha em campo!
De Escrita online a 7 de Dezembro de 2011 às 23:14
I Concurso Online de Escrita!

É concorrer... Aqui:

http://escrita-online.blogspot.com

Boa sorte.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever