Segunda-feira, 5 de Dezembro de 2011

o escrevedor

O Pedro é um herói pessoal. Por conhecê-lo, na sua basta carne e algum osso, sei que não foi romanceado, amaciado por biógrafos, desinfectado de contradições. Está tão cheio delas como de livros as estantes que tem em casa, e mais os discos, a revista aberta – casualmente na crónica por ele assinada –, os filmes vistos ou por ver, debaixo da televisão que transmite um jogo que põe frente a frente o Futebol Clube do Porto e outros fulanos quaisquer.

 

O Pedro é o tipo que fez o que todos os outros arranjam desculpas para adiar: mudou de vida. Ali à beira dos 40 anos, com a doença a querer puxá-lo cobardemente para o lado de lá, meteu os pés à parede e começou de novo, com a folha em branco. Arriscou expor-se ao ridículo de se tornar um quarentão principiante, perder dinheiro, cometer erros, descobrir se tinha talento que chegasse para patrocinar a sua paixão, confrontar-se com o fracasso. Deixou os negócios e foi aprender a escrever da única forma possível: escrevendo. Sujeitando-se ao escrutínio de quem é complacente com jovens líricos e impiedoso com calmeirões ruidosos em busca do tempo perdido.

 

Venceu. Acertou o compasso entre quem é e a sombra de quem queria ser. E fê-lo sem perder nada pelo caminho. Pelo contrário. Continuou a ter a porta aberta para os amigos, a mesa cheia para repastos e conversas, uma história na ponta da língua a propósito de qualquer assunto, uma recordação, a espontaneidade de enfant terrible que disfarça o trabalhador sério que se prepara e documenta como poucos.

 

Sobretudo, debaixo da personagem tagarela e vaidosa, permaneceu o matulão companheiro, cheio de ternura e atenções, cultor de amizades e heróis literários, incertezas e questionamentos que o hão-de continuar a trazer à suave superfície da felicidade.

 

A vida é mais fácil com tipos como o Pedro por perto. O mínimo que um gajo pode fazer é não cometer a ingratidão de a deixar passar sem nunca lho ter dito.

publicado por Alexandre Borges às 01:20
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever