Domingo, 4 de Dezembro de 2011

socializações de pub

Sentemo-nos no pub para mais um passo rumo à integração na cultura britânica, à nossa frente uma enorme caneca. Ainda não é hora do almoço, mas o jogo de futebol já começou, enquanto o estômago se esforça por se habituar a estes horários etílicos. A ementa recomenda o tradicional assado de domingo e a tradição manda acompanhar um bife com molho de menta. Compremos antes um pacote de batatas fritas. A dúvida persiste: sabor a vinagre ou a cheddar e cebola caramelizada. Gostos não se discutem.

 

Tenho percorrido o bairro à procura de um pub local ao qual poderei chamar amigo. Algo como o café de esquina onde com um simples aceno à entrada se dá início à preparação do nosso café personalizado.

 

Já passei por salões distintos com cadeirões, lareira e conversas importantes, pelos locais de celebração da adolescência dos trintões e os inevitáveis Smiths e “Common People” no ar. Também já entrei nos antros da cultura dos excessos estudantis e nos estabelecimentos familiares onde várias gerações passam um domingo tradicional. Sempre acompanhados pela cerveja. Cada vez menos inglesa, é certo, agora substituída pelos sabores de overseas, mas sempre uma presença incontornável nos mais diversos tipos de convívio.

 

Hoje sentei-me no Quinn´s, gerido por descendentes de irlandeses chegados a esta cidade no início do século XX, como é comprovado pelas fotografias e os quadros na parede. Cheira a madeira e muitos anos de história e histórias para contar. O ambiente é mais duro, há marinheiros idosos com tatuagens e heróis da classe trabalhadora. Encontro um skinhead, mas não consigo perceber se é de extrema-direita ou anti-racista. Ouvem-se os cânticos de alguns apoiantes mais entusiastas do Arsenal, o clube mais importante da zona norte. O Chelsea aqui é detestado, como sinónimo de riqueza, nova e antiga. O Arsenal, por seu lado, encarna a figura do romântico perdedor, uma equipa que dá valor a um futebol estético, filosófico, mas que perde sempre nos momentos fulcrais. Acaba por ser fácil escolher quem apoiar, umas pitadas de idealismo não fazem mal a ninguém.

 

Quando o jogo acaba, já é quase noite lá fora e reparo como ainda não me consegui habituar à rapidez com que o dia é consumido. Almoça-se e quando estamos a acabar o café a luz é desligada. Escurece e começa-se logo a pensar nas compras para o jantar. Ou no próximo pub por descobrir. Porque ainda há tantas aulas de socialização britânica por completar.

publicado por Ricardo Correia às 20:39
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever