Quinta-feira, 24 de Novembro de 2011

A swot do amor

Nada é mais ineficaz do que um plano amoroso. É raro que tenha resultados objectivos. Por norma, é a sorte que dita o resultado. Em séculos e séculos de literatura sobre o amor, nunca se arranjou uma solução. É tudo muito bonito, o amor e tal, mas know how não se vê muito. Apenas a sagrada instituição do casamento conseguiu delinear um objectivo que forçasse os homens - nem todos - a definir um plano mais consistente de apresentação de benefícios e captação do interesse da coisa amada. O dote, por exemplo. Ainda assim, trata-se de um fenómeno demasiado materialista e que terá, certamente, os dias contados.

 

É altura, então, de aplicar conceitos básicos da organização empresarial e da gestão ao amor. Sejamos ambiciosos, tracemos objectivos e determinemos um plano de acção adequado às nossas necessidades, às exigências do nosso stakeholder e às nossas potencialidades. Primeiro que tudo, temos de compreender que é preciso acabar com a ideia do altruísmo e da dedicação sem limites. Os nossos interesses são fundamentais para a conservação da nossa dignidade. O passo seguinte é fazer uma análise swot. Não podemos chegar a um resultado sem conhecermos bem a conjuntura.

 

Assim, como qualquer boa swot, verifiquemos os pontos fortes, os pontos fracos, as ameaças e as oportunidades. Nos pontos fortes teremos de ser realistas. Do que é que a casa gasta? Somos feios, baixos, gordos, lingrinhas, carecas, peludos, marrecos? Podemos ter um orçamento limitado, não ter grandes atributos artísticos ou, até, pouco carisma. Devemos, também, admitir a dificuldade de estabelecer uma linguagem cúmplice. Nos pontos fortes, a necessidade é ignorar a modéstia sem perder o realismo: não somos estúpidos, temos algum sentido de humor, somos informados, admiramos a humanidade. Essas merdas. Para as ameaças e oportunidades, a análise deverá ser exterior: os perigos de um concorrente, a situação do país, a agenda cultural, a família do stakeholder, os horários do universo e por aí fora. Não façamos de uma falha de percepção nossa uma ameaça e aproveitem-se as oportunidades.

 

Com efeito, deve aproveitar-se a swot para traçar um plano com objectivos bem definidos e quantificados: um encontro num espaço de um mês, um jantar a dois, 4 encontros culturais, 2 sms's voluntárias a um Domingo de manhã e uma referência no Facebook, também ela voluntária. A partir daqui, há que estabelecer um plano de acção. Teremos de fazer uma recolha da linguagem utilizada pelo stakeholder, fazer um inventário de interesses e do calendário, fazer um levantamento de espaços originais e adoptar um conjunto de condutas genuínas. Criar valor é preciso.

 

Se os objectivos não forem atingidos, então, talvez tenhamos falhado o nosso target. Não é preciso fazer um grande drama. Procure-se novo target, noutros meios mais propícios. O nosso core business é o amor. And it takes two for tango.

publicado por jorge c. às 08:00
link do post | comentar
6 comentários:
De Exilado no Mundo a 24 de Novembro de 2011 às 10:14
Swot know how stakeholder core business and it takes two for tango? Textos bilingues deixam-me sempre muito desnorteado. Acho que nem entendi. Mas discordo!

Meu caro, já temos organização empresarial e gestão a mais nesta vida cada vez menos poética! Deixe o amor de fora desses paradigmas.

Agora a sério (ou algo do género) e sem querer parecer presunçoso (mas já sendo). Se é como metáfora prefiro a minha:
http://exiladonomundo.blogspot.com/2011/04/as-metaforas-do-amor.html
De Nuno Costa Santos a 24 de Novembro de 2011 às 13:39
Muito bom, Jorge:)
De golimix a 24 de Novembro de 2011 às 17:45
Parece-me demasiado... "esterilizado", para se poder chamar de amor a essa conquista programada e até burocrática.
Nessas condições não me parece que se encontre amor. Já outras coisas não posso negar que não seja eficiente!
L.Maria
De Ativo a 25 de Novembro de 2011 às 11:46
O problema das relações é quando nos fazem um downsizing.
De Exilado no Mundo a 25 de Novembro de 2011 às 13:09
Ai Jesuss! Isso do downsizing tem algo a ver com aquilo?
De Ativo a 25 de Novembro de 2011 às 16:29
Pode dar início àquilo.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever