Segunda-feira, 21 de Novembro de 2011

lisboa resumida

A viagem começa com uma pergunta perversa: que sentido tomar? Dos Prazeres à Graça ou da Graça aos Prazeres? O tempo fez-nos cínicos. Vamos do céu ao pecado.

 

Eleita pelo Rough Guide uma das mil experiências de viagem mais importantes do mundo, a carreira do 28 é uma montanha russa entre prédios e cicatrizes, carrossel de adultos, carícia de 40 minutos pela face de Lisboa, sem que a cheguemos a beijar.

 

O embarque acontece na Graça, onde Lisboa paira sobre si mesma. Depois, começa a queda. Entre pátios, escadinhas e becos, descemos S. Vicente, ao lado dos túmulos de reis e artistas. Chegamos às Portas do Sol onde a vista se abre ao Tejo, a Cerca Moura vive paredes-meias com esplanadas da moda e o motorista anuncia: “Castelo! Castel! Castillo!”. Saem turistas, entram velhinhos do bairro e a descida prossegue, assinalada com a buzina-trinado de pássaro eléctrico. Ergue-se o Centro de Estudos Judiciários porque a justiça nacional também é “very typical”, ali onde outrora foi a prisão do Limoeiro e Bocage apodreceu. Duas igrejas escoltam a Sé até à Baixa, entre retrosarias, drogarias e lojas de souvenirs geridas por indianos.

 

Ao lado dos ministérios do Terreiro do Paço, tocamos o fundo. Depois, voltamos a subir, serpenteando pela Calçada de S. Francisco até aos teatros S. Luiz e S. Carlos, às estátuas e ruas dos poetas Chiado, Pessoa, Camões, e Garrett (de que falarão à noite, quando todos partem?). O 28 despede-se do Bairro Alto e acelera. Espanhóis, alemães, americanos, estranhos de toda a parte seguram-se como podem. Subimos para a parte rica. São Bento, Lapa e os cafés de bifes caros, a Assembleia que rouba todas as fotografias, as embaixadas, as escolas chiques. Diante da Basílica da Estrela, tempo para uma última oração. Dali a pouco, a estação final. Não nos aguardam letreiros de néon nem odaliscas; antes, as portas do cemitério.

 

Nada de ressentimentos. Aqui repousa Cesário Verde, máximo poeta da cidade. Enquanto esperamos o eléctrico de volta, relemos, em silêncio, “O Sentimento Dum Ocidental”.

 

Esta carreira não deveria terminar aqui. Estendessem carris pelo mundo e veriam do que seria capaz.

 

 

Publicado na Azorean Spirit #46

publicado por Alexandre Borges às 01:52
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever