Quinta-feira, 17 de Novembro de 2011

Um velho casaco

Acabo de ouvir António Barreto dizer que a pátria é como um velho casaco agarrado ao corpo, em que conhecemos cada pormenor seu, cada bolso, cada buraco, cada costura. Quando regressamos a casa a memória reflecte-se num instinto de reconhecimento.

 

Sempre que regresso ao Porto, regresso a casa. O carro desvia-se intuitivamente dos mesmos buracos, os pés avançam sozinhos por cada viela. Não perco um segundo a pensar para onde vou. À noite, o cheiro do rock'n'roll leva-me aos mesmos lugares, onde bebo a mesma cerveja. O meu corpo e a minha memória são conservadores.

 

Há um conforto divino nesta ideia de casa. Vá para onde for, quero sempre regressar e lembrar-me fisicamente de mim mesmo e de como a cidade faz parte de mim. Vejo-a com a memória do primeiro beijo, do primeiro disco, do primeiro cigarro, dos amigos, da felicidade inconformada da adolescência. Mas, vejo-a, também, com a memória dos dias normais, do quotidiano, das suas incríveis imperfeições.

 

Depois, vem a linguagem: descomprometida, livre e leal. É nela que me entendo. Não preciso de fazer qualquer esforço para encerrar mal-entendidos e desentendimentos. Conheço todos os gestos, porque são, também, os meus gestos.

 

Num texto que o meu amigo RPS teve a gentileza de transcrever em 2009, o Eça questiona - e bem - a finalidade das viagens. Que sentido faz, então, conhecer sem conhecer? Há um mundo à nossa porta que insistimos em ignorar. E se há coisa que não consigo suportar é esta ideia aberrante do "ter mundo". Vale mais uma rua do Porto c'a Gaia toda, dir-se-ia. Conheço a América dos discos, dos livros e dos filmes. Porém, dificilmente compreenderia um pouco melhor os homens se não fossem as conversas de café de todos os dias, os passeios lânguidos pelas vielas e os fragmentos de emoções que coleccionei das relações de uma vida - coisas que nunca alcançaria numa visita de duas semanas.

 

Não há provincianismo no Porto. Há, sim, um culto da cidade que nasce da sua imensidão. Não gosto que falem mal do Porto. Tão só porque o Porto também sou eu.

publicado por jorge c. às 08:57
link do post | comentar
1 comentário:
De golimix a 17 de Novembro de 2011 às 17:32
Costumo intitular-me uma cidadã do mundo, pois vivi em alguns locais geograficamente dispersos. O Porto incluí-se num desses locais. Senti-me adoptada pela cidade, acho que o Porto tem alma, uma alma vivida e acolhedora...
Para mim não é Natal enquanto não sentir o "cheiro" da rua Stª Catarina nessa época! Gosto de passar por lá, observar as pessoas e envolvência que essa rua tem nessa época festiva!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever