Terça-feira, 1 de Abril de 2008

Capital da Solidão

No Domingo saí à tarde para ir à FNAC e andava às voltas para parar o carro quando encontrei um lugar graças às sinalefas de um arrumador.

 

Estava um céu tremendo de azul que a janada deitada no muro do metro do Chiado não viu, tal como os turistas que parlapeavam no seu chinês endinheirado. Comprei o livrinho que queria comprar, o jornal na Bertrand, evitei olhar de novo o céu porque a janada se interpunha no campo de visão e só ao chegar ao carro percebi que não era um arrumador e não eram sinalefas.

 

Era uma arrumadora e fazia uma estranha e suave dança com os braços para chamar a atenção dos automobilistas.

 

Pensei: há uma piada aqui, qualquer coisa a ver com a evolução da sociedade portuguesa, em como mesmo a arrumar carros as mulheres exibem um maior decoro higiénico, uma certa leveza e graça de gestos. Pensei: escrever 500 caracteres sobre a necessidade premente de estabelecer quotas femininas para a profissão de arrumador (arrumadora, arrumatriz, não sei). Há uma piada aqui.

 

Eu penso estas coisas. O António Barreto pensa outras. Ele pensa que alguns dos direitos dos alunos dos liceus, como "serem informados sobre os critérios de avaliação, os objectivos dos programas, dos cursos e das disciplinas" são "absurdos".

 

Depois leio na net que a águia Vitória, símbolo do Benfica, fugiu, desapareceu - antes ou depois do jogo - e dou por mim a pensar que talvez o mesmo tenha acontecido à lucidez do António Barreto (que eu tanto respeitava).

 

Ainda depois li um post do maradona e encontrei uma frase que, fico a pensar, gostava de ter escrito: "Cometi a liberdade".

Por norma escreve-se "Tomei" mas aquele "Cometi" faz sentido.

 

Isto do livre arbítrio que nos ensinavam nos liceus sossegados onde não havia telemóveis tem-me parecido sobrevalorizado. Se creio em alguma coisa (e creio que creio pouco) é que não dominamos o nosso pequeno cérebro, ele é que nos domina. Não acredito - há muito - na Liberdade.

Não me refiro a essa, fácil, de votos e eleições e não haver tanques nas ruas e poder pintar o cabelo de azul. Essa é fácil.

 

Refiro-me à Liberdade que alguns têm, ou sentem que têm e ainda por cima usam. A Liberdade de dizer que os direitos dos alunos dos liceus de "serem informados sobre os critérios de avaliação, os objectivos dos programas, dos cursos e das disciplinas" são "absurdos".

A Liberdade de dizerem - como hoje um professor (ou um legislador, não me ocorre) no Prós e Contras, a propósito dessa novidade que é "agora" haver alunos que tratam o professor por "tu" - que "é preciso trazer a autoridade para as salas de aula porque sem escola não há sociedade", sem por um segundo parar para pensar que a noção de autoridade mudou muito de Aristóteles até hoje, sem pensar que sem sociedade perdemos a escola e que uma não existe sem outra.

 

Esta Liberdade - preocupa-me. Esta Liberdade dos quem têm acesso à informação e ao conhecimento serem os primeiros a abdicar do raciocínio lógico, da tentativa de nos colocarmos no lugar do Outro (qualquer outro), apenas para auto-justificar uma biografia mais ou menos amarga, a sua classe mais ou menos protegida, esta Liberdade tão apregoada - assusta-me.

 

Não sei destas coisas, a minha vida não é isto. Escorrego em camisolas de lã que guardo da infância, tropeço num brinquedo de um puto de três anos, sou tão alheio à desgraça alheia quanto os outros a mim, não me apetece aturar esta gente cuja preocupação com o estado do mundo toma vez após vez a forma de decalaração implacável.

 

O meu mundo, nem mais nem menos simples, não tem muitas Liberdades. Reduz-se a cometer a liberdade de não atender a porta não vá aparecer-me o António Barreto de dedo em riste. A cometer a liberddade de ter o pudor de não atirar deturpações do mundo apenas para marcar posição.

 

Cometo apenas pequenas e irrisórias liberdades: a de ler um, dois versos que me mandam estar quieto e não escolher nada.

E cometo a liberdade de transcrever esses versos que resumem o meu minúsculo medíocre mundinho sem crenças na Liberdade:

 

"Amanhã será pior

ainda, eu sei: o hábito, a inércia,

o sem remédio da vida - tão pouco

haverá a salvar.

 

Por toda a cidade os desconhecidos

subirão outro degrau para o escuro

da noite, e a memória será talvez

um remorso"

 

Chama-se Espanta-Espíritos, é de um Poeta que ninguém lê - nem costuma cometer ou exercer Liberdades de espécie alguma - chamado Rui Pires Cabral, e está incluído num livro chamado "Capitais da Solidão".

Olho para esta gente toda a bramir sentenças, acirrados pela Liberdade dos outros pensarem diferente, retesados na sua incapacidade de olhar para o lado (ou para dentro), perco toda a vontade de fazer piadas sobre arrumadoras e penso:

 

capital da solidão.

publicado por João Bonifácio às 03:21
link do post | comentar
3 comentários:
De ALB a 1 de Abril de 2008 às 14:02
Bravo João, é a minha primeira visita mas gosto.
Até breve!
De isa a 1 de Abril de 2008 às 14:19
muito bom, mt bem escrito! voltarei sempre :-)
De pedestre iletrado a 2 de Abril de 2008 às 11:11
Vir de automóvel para a Baixa (portanto marimbando-se na liberdade de termos uma cidade decente) e a reflectir sobre a Liberdade e sobre a águia vitória...

O fino retrato da nossa burguesia letrada.

(este blog anda com níveis de qualidade muito diversos, vejo...)

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever