Quinta-feira, 3 de Novembro de 2011

Uma crise

Gosto de casamentos. São eventos atípicos. Ao contrário do quotidiano, as pessoas vestem-se a rigor com convicção; os homens fazem a barba com prazer, as senhoras calçam o seu mais desconfortável salto-alto, o conservador exibe a sua gravata cor-de-rosa e os chapéus ganham o direito à existência, ainda que por breves momentos.

 

Se a tradição se cumprir, o pai da noiva abrirá os cordões à bolsa e seremos todos contemplados com um banquete que esmagará a contenção a que os corpos de Botero se sacrificaram, em vão, desde a última Páscoa. E depois... ah, depois, o baile, a danceteria antológica, do Elvis ao Mambo #5. Pezinhos de dança, pesados e descompassados, gin tónicos e uísques que se vão entornando pela noite dentro, até à mesa dos queijos. Há uma loucura temporária que apanha, até, os mais precavidos.

 

Acontece que os casamentos não são só fantasia. Uma pena. A realidade dos casamentos é muito mais crua. Há todo um pensamento mercantilista nesta formalização da conjugalidade. Há uma tradição de interesses economicistas, uma espécie de hidden agenda. Os noivos iniciam aqui a sua relação pragmática com o mundo. O casamento é o seu primeiro negócio comum. Nada contra. Porém, não sou um bom cliente.

 

Entrei numa fase difícil da vida. O meu tempo das vacas gordas também conheceu, agora, o seu fim. Daí que não me seja fácil aceitar convites de casamento. A minha solução passa por não dar prendas, na esperança que, como amigos que são, os noivos queiram apenas a minha doce presença e estejam solidários com a minha conjuntura. É claro que não me recuso, simplesmente, a dar algo. Deixo, por norma, a promessa de, noutra altura, oferecer um objecto que marque a diferença. O dinheiro é impessoal e as listas utilitárias. Digo-o com convicção. Fico em dívida.

 

A verdade é que a notícia espalha-se depressa e começo a sentir alguma hesitação de futuros noivos em me convidarem para aquele que juram ser o dia mais importante da sua vida. Eles sabem! E como bons credores que querem ser, tenho a certeza que já baixaram o meu rating. Só vais ao casamento se garantires o pagamento da tua dívida. Contudo, já acumulei alguns sem dar prenda, pelo que, com a crise e assim, este não é o melhor momento para abater as dívidas que fui contraíndo com esta minha política obstinada.

 

Este não é ainda o meu pedido de ajuda externa. Mas, é um desabafo. Sou, com certeza, o único cidadão que leu o Ezra Pound que ainda gosta de casamentos. É a dignidade e o futuro desta cerimónia que está em causa. A ameaça do mercantilismo matrimonial - esse grave problema sistémico - não pode prevalecer.

publicado por jorge c. às 08:15
link do post | comentar
2 comentários:
De manuela a 3 de Novembro de 2011 às 12:29
muito alegórico...
De Consultoria Informática a 3 de Novembro de 2011 às 17:59
Também me sinto mal por vezes não poder dar tanto como gostaria, mas graças a Deus que não tenho tido muitos casamentos!!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever