Segunda-feira, 31 de Outubro de 2011

isto dos anos e dos dias

Alguns dias atrás, num café de Lisboa, mesa do lado. Ela: “Quantos anos tens?” A outra: “17. Quer dizer… 16.” A primeira, de olhar e tom melancólicos subitamente postos: “Gostava de ter a tua idade…” Pausa dramática. “Eu tenho 21.” E este “21” prolonga-se pesadamente no silêncio, deixando atrás de si um rasto de memórias e remorsos. 21 anos. Jesus. Uma vida. A pobre moça nem sabe como se aguenta de pé. O que foi preciso para chegar aqui – a outra nem pode imaginar. O tormento dos cinco anos que as separam. As voltas ao mundo, os filhos que se criam em cinco longos anos.

Eu, na mesa do lado, tentando não sufocar no pedaço de tosta de salmão acabado de se me enfiar na garganta, e tentando tirar notas para uma futura crónica no sinusite. E pensando: que raio de problema temos com a idade que temos?

A questão tem duas partes. Primeira: o nosso gosto em paternalizar os mais novos, tenham eles menos um ano ou cinquenta. Segunda: a nostalgia que alardeamos da vida que passou, confissão tácita de como e quando falhámos na vida. O encontro das duas partes reduz o problema ao absurdo: se preferimos a idade que algures tivemos, por que paternalizamos quem a tem agora? É, porventura, a nossa histórica tacanhez, jamais curada, a falar: o outro ainda não sofreu como eu, ainda não sabe, ainda não viu nada, não sabe o que o espera, ainda não se desapontou, ainda acha que vai chegar longe, ainda se sente especial, ainda não desistiu de tudo, ainda. Nós somos a fasquia da normalidade. O outro nunca poderá ir além dela. Não nos ínvios caminhos da nossa cabeça.

Copérnico, por vezes, parece nunca ter passado por aqui. Nem Freud, nem Darwin, nem Einstein. Aqui dentro, continuamos convencidos de ser o centro do universo. Um centro falhado, que é ainda mais grave, como se a estrela do nosso sistema solar fosse a desilusão.

Nas nossas manhãs iluminadas pelo pessimismo, temos dificuldade em pôr as coisas em perspectiva. Que atenção dedicaríamos a nós mesmos se nos encontrássemos agora diante de nós dez anos atrás? Por que é que estamos sempre convencidos de já ter vivido tudo? Por que é que os 16 anos e alguns meses da rapariga que os tentou arredondar para 17 devem sentir-se inferiorizados diante das 21 dramáticas primaveras da jovem em frente, bruscamente feita Matusalém-em-roupa-da-Bershka?

Amanhã, é o dia dos meus anos. Não chego lá como o motorista de táxi nem o pintor de casas que sonhei na infância, mas ao menos já não sou o tonto que aos 18 anos achava que ia marcar a literatura.

publicado por Alexandre Borges às 18:24
link do post | comentar
4 comentários:
De manuela a 31 de Outubro de 2011 às 20:04
depois de amanhã também é o dia dos meus anos, faço muitos mas concordo plenamente consigo.ah, parabéns!
De Sílvia a 1 de Novembro de 2011 às 01:28
Feliz aniversário. Com um olhar renovado pelo tempo que passou e repousado no tempo que passa.
De Escrivaninha a 6 de Novembro de 2011 às 16:45
E eu que só agora descobri que o Sinusite tinha voltado? Mais vale tarde que nunca!
Os parabéns também já vão atrasados, mas bem intencionados.
Que isto da idade pesa, é verdade, mas também é verdade que mitificamos muito a idade que tivemos e que, na altura não apreciámos nada.
Experiência e dores nas costas, se servem para ir colorindo o novo ambiente, também aumentam a nostalgia de uns tempos que pensamos ter vivido.
Enfim...faz parte...
(Adorei o "Matusalém-em-roupa-da-Bershka").
Desejo-lhe muitas reflexões sobre o tempo, por esses tempos fora.
De . a 7 de Novembro de 2011 às 00:15
Alexandre, se vai marcar a literatura ou não, não sei e só o tempo o dirá. Por enquanto, consegue com que pessoas como o eu o leiam com bastante prazer. Já é qualquer coisa, diria :)

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever