Quinta-feira, 27 de Outubro de 2011

A mistura

"You know when you throw a party, you think people will show up and no one will like each other. It's like that with music – parts of your musical psyche have never met other parts. You wonder if you should get them together. I used to think it was good to keep them apart. Now I kind of throw them in and see what happens."

Tom Waits deu, esta semana, uma entrevista ao Guardian, de onde retiro a citação supra.

 

Com a entrevista e a semana chegou, também, Bad as me às lojas e o Outono às nossas vidas. Como diria o outro: “everything in its right place”. Desconheço melhor época que esta para uma vida que está fechada nos discos, à espera de se libertar.

 

Este Outono entrou, porém, de forma um pouco desadequada, abrupta, apesar de extemporânea, dando razão aos fiéis do aquecimento global, arrasando os armários da meia-estação e confundindo o metabolismo da espécie. Cruzaram-se duas estações com características opostas e tudo isso gerou um conjunto de percepções que nunca se tinham encontrado.

 

Assim, o momento mais estranho que talvez tenha vivido em toda a minha existência, depois de não ter encontrado portugueses em Badajoz há dois anos, nem Espanhóis em Elvas, na Páscoa, aconteceu há dias, nessa vasta e inóspita região, assombrada pelo abandono civilizacional e pelo opróbrio – a Margem Sul, mais concretamente, na Costa de Caparica, também conhecida pela Flórida Portuguesa, local de excelência para uma reforma do alto-proletariado, com as suas camisas colonialistas e os cabelos armados, tudo muito amarelo ou em sépia. Mas, um momento singular, dizia, esse em que se confundiram dois símbolos estranhos entre si.

 

Descia a famigerada Rua dos Pescadores, por motivos que eu próprio desconheço, numa destas últimas manhãs de sol. A rua, que de pescadores tem pouco, acolhe o comércio local e o espaço envolvente concentra a grande percentagem de restaurantes. Talvez por isso, e pelo adiantado da hora, o vendedor das castanhas a tenha escolhido para se abancar. Acontece que, por causa do calor e das maravilhas do peixe ultra-congelado, alguns daqueles restaurantes aproveitam as benesses do aquecimento global para despachar as últimas sardinhas. Ficou, assim, no ar a mais improvável das coincidências; uma mistura de cheiros que caracterizam, cada um a seu jeito, o seu próprio tempo.

 

Tal como Tom Waits, somos demasiado bons a tomar as coisas por certas, nos seus devidos lugares, sem misturas. Em rigor, somos todos conservadores. Não damos muita oportunidade à fusão porque gostamos de ter a certeza do tempo, das mudanças de guarda-roupa, da fruta da época. Não ouvimos o próprio Waits no pico do Verão, o Anel dos Nibelungos de manhã ou a Tarde em Itapoã do Vinicius no dia de Natal. Só porque não faz sentido; não casa, como se diria na mais banal das mesas de dominó. Sentimos um desconforto antropológico, um embaraço entre a natureza e a própria roupa com que a fomos vestindo. Estranhamos, em suma, a oportunidade de juntar o melhor de dois mundos, de fazer sardinhas com castanhas – a nouvelle cuisine das estações.

publicado por jorge c. às 10:05
link do post | comentar

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever