Sexta-feira, 21 de Outubro de 2011

Não Sou o Keith Richards

 

A vida não está fácil para nós os que espirramos. Com a história da gripe somos logo olhados de lado pelos funcionários da repartição laboral ou familiar. Metidos de quarentena num quartinho dos fundos, temos por vezes de aguentar o espirro durante larguíssimas horas e só depois podemos soltá-lo epicamente como quem solta um Grito do Ipiranga nasal. Por estes dias espirrar é o supremo acto de liberdade. Há umas décadas as pessoas viajavam até Paris para poderem exprimir a sua opinião e pensar livremente. Hoje um tipo procura um exílio, bastante menos culto e literário, para poder manifestar a sua natureza alérgica. É desagradável. E chato. Deixem-me sofrer de rinite à vontade. Não quero ir para a clandestinidade dos que têm comichão no nariz.

 

O pior é que esta exclusão social é antiga, já pesa há muito bom ano. Experimentem andar de um lado para o outro com uma bombinha de asma no bolso. Uma vez, estava eu no local de trabalho, dei uma bombada de urgência e houve quem pensasse que me estava a drogar. Os olhos arregalaram-se, a boca encolheu-se como os indignados lábios de uma tia de província. Não, meus queridos, não sou o Keith Richards. Tenho menos charme: sofro de bronquite asmática e às vezes fico à rasca. Desculpem.

 

Vou-me sentindo cada vez mais sozinho nestes territórios sinusíticos - e a solidão do sinusítico assumido, acreditem, custa e muito. Anda tudo para aí a fazer jogging com a ficha clínica limpa ao peito. Assumimos pouco os defeitos, em particular os defeitozinhos de saúde. Somos todos corpos perfeitos, vendemos ar puro e pulmões imaculados no eBay, mesmo que tenhamos o pacemaker a carregar há duas horas. Chegou a altura de trazer os comprimidinhos contra a azia e o mau sono para cima da mesa. As clássicas bombas Ventilan e as outras, mais modernas, em tons rosa, que evitam a necessidade de usar as primeiras.

 

Estou farto de ser o hiponcondríaco do bairro. Gostava que todos os cidadãos do meu país assumissem as suas maleitas como homenzinhos que são. E que depois as comentassem como fazem as senhoras que passam o dia nos autocarros a queixar-se das dores nas costas.  Não vai ser fácil, sei. Esta sociedade que vende saúde compreende mal quem, pelo menos na aparência, vende falta de saúde. O contrário também é verdade, admito. Sempre que me vendem saúde peço logo o internamento. A saúde não é para ser vendida ou ostentada. É uma sorte e, como tal, deve ser usufruída com recato e gratidão. Agora, se me permitem, vou para dentro porque isto está a ficar frio.

 

(anteriormente publicado no 'i' e actualizado no momento em que o ministro da Saúde avalia se vai ou não reduzir a comparticipação dos medicamentos antiasmáticos).

publicado por Nuno Costa Santos às 19:26
link do post | comentar
4 comentários:
De golimix a 22 de Outubro de 2011 às 23:09
Meu caro, a vida está de facto difícil para quem não tem saúde! Asmáticos ou não. Tenho um problema de saúde, que não sendo grave, (considero que grave é ter um cancro), é muito difícil e de tratamento complicado. Tenho uma dor neuropática crónica por lesão traumática de dois nervos, o diagnóstico foi tardio, o tratamento certo também, e o quadro agravou-se atingindo todo o meu lado direito, mas não vou entrar em pormenores técnicos. Tenho dor SEMPRE. Isso limita a minha atividade física, laboral e toda a minha vida! Mas a dor crónica não é contemplada para efeitos de isenção e muito menos entra nas doenças crónicas. Valha-me pelo menos que, para já, os medicamentos são comparticipados. Por isso, meu Deus, como o compreendo!
De Nuno Costa Santos a 25 de Outubro de 2011 às 17:37
Um abraço, meu caro! Nuno
De golimix a 25 de Outubro de 2011 às 19:58
:), desculpe o tratamento de "meu caro", foi no sentido de me sentir no mesmo barco. Espero que não tenha ficado chateado ;)
Ah! No meu caso seria - CARA colega com alguma debilidade de saúde :-)
Obrigada por ter respondido, gosto quando o fazem porque me sinto bem vinda no blogue.
cumps
De Nuno Costa Santos a 26 de Outubro de 2011 às 00:28
Claro que não, caríssima! Bom ter leitores com esta têmpera, esta autenticidade. Até já

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever