Terça-feira, 18 de Outubro de 2011

A minha madeira nova

Comprei uma madeira três nova. Linda, a bichinha. Conto os minutos até ao próximo fim de semana. A partir de agora, saia bem o drive, e não há green de par cinco a que não chegue à segunda pancada. Vou dar descanso ao drive em muito par quatro. Pensando melhor, até sou capaz de arrumar esse cabeçudo que ultimamente só me tem dado desgostos.

Agora é que vai ser. Acabaram-se os tops miseráveis, os hooks vesgos, os slices tipo carro em aqua-planning. Basta tocar nesta maravilha para perceber que, com este balanço, o meu swing vai ter um ritmo que faria o João Gilberto morrer de inveja.

Não, não me venham com conversas cínicas. Não me recordem o dia em que me deram a pista de carros Scarletix, aquela que passados dois dias já tinha sido atirada para o armário dos brinquedos velhos e ficou a descansar em paz com o Action Man legionário e o capacete do Vickie. Não vale a pena lembrarem-me do dia em que levei os meus ténis Sanjo (botas, atenção) pela primeira vez à escola, os que  fariam as raparigas suspirar por mim, e que, numa semana, se tornaram apenas mais um par de ténis rotos. Da mota, do carro, do computador portátil, do DVD e de todas as coisas que iam dar uma nova dimensão às nossas corriqueiras vidas.  Do novo emprego ou do novo negócio, que se tornou rotineiro como todos os empregos e negócios.

Vivemos na ilusão da mudança, de que um objecto ou uma decisão mude radicalmente a nossa vida ou até nos mude como pessoas. E apesar de no fundo, no fundo, sabermos que no essencial nada muda, não conseguimos deixar de sentir um frémito, uma pequena esperança de que aquela madeira três nos faça baixar o handicap, que aquele livro faça de nós um homem novo, que aquele emprego nos realize absolutamente.

Pode ser que não possamos viver sem essa ilusão, que seja isso o que nos faz levantar todos os dias com a esperança de que nos conseguimos mudar ou alterar significativamente o mundo à nossa volta.

Eu não tenho dúvidas: a partir de Sábado começa a minha contagem descendente para o Seniors Tour. Treme Fred Couples.

publicado por Pedro Marques Lopes às 00:49
link do post | comentar
1 comentário:
De Sílvia a 18 de Outubro de 2011 às 09:39
As mudanças acontecem sim. Não concordo consigo. Mesmo para quem não tenha carro novo para mostrar ou madeira nova para jogar.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever