Segunda-feira, 10 de Outubro de 2011

a graça

A graça, diz-nos a cultura cristã em que crescemos, não era qualquer coisa que dependesse nós. Era dada, em casos especiais, pelo Criador. E aquele que tinha a extraordinária felicidade de ser agraciado distinguia-se dos demais que se limitavam a agir de acordo com os seus instintos naturais (vale a pena lembrar aqui, obviamente, “A Árvore Da Vida”).

A graça era, pois, bênção. A bênção de não ter vistas curtas. De se elevar acima dos mais primevos ímpetos animais. De agir em nome do bem, dos outros, da totalidade, da vida. De ter esse traço de divindade que libertava o agraciado da contingência do eu, dos limites da individualidade, da circunstância de ser esta coisa para nascer e morrer.

A graça, hoje, significa outra coisa. Já não nos é concedida pelo Criador, mas pelo patrão, o empregador que nos pede que trabalhemos de graça (não será mera coincidência homónima. Por debaixo da palavra, está lá o mesmo apelo a agir não em nosso benefício, mas pelo de outrem). E a graça 2.0 , lamentavelmente, vulgarizou-se nestes dias de que já aqui falava o Nuno.

A propósito da crise que se apegou ao nosso tempo qual nome de baptismo, todos os dias há mais alguém que trabalha de graça. Sobretudo na área desses tipos giros da cultura, que basicamente escrevem umas coisas e devem fazer o que fazem por amor à arte ou, doutro modo, metiam-se mas era a fazer um trabalho a sério, tipo gestão ou consultoria.

Escrevem-se crónicas de graça, críticas de graça, entrevistas de graça, guiões de graça. Fazem-se locuções de graça, fotografias de graça, produções de graça. Canta-se de graça, representa-se de graça, cede-se os direitos de graça porque, sem isso, não há pão para malucos e se ninguém vir o que você faz, afinal, onde está  graça.

Isto, dizíamos, começou nos patrões, mas não é um problema deles; é dos agraciados. Os sonhadores que acham que, quando isto melhorar, vão começar a receber. E que, depois disso, serão aumentados. E que alguém, algures, ao longo deste tempo, está a reparar que eles estão a trabalhar de graça e vai reconhecer-lhes e recompensar, de algum modo, a dedicação.

Não vai.

O agraciado deve perceber logo o truque. Geralmente, falam-lhe em oportunidades, em aprendizagem, no luxo e na honra que será estar ali a produzir, ao lado deles, de graça. No fundo, o agraciado ainda tem de agradecer tudo o que lhe está a ser dado e envergonhar-se de, por um momento, ter pensado no vil metal. Que materialista, este agraciado. E tão jovem, Jesus. No que nós nos tornámos. Isto a culpa é nossa, diz o patrão no almoço de patrões, que os educámos assim.

O que o agraciado tem de compreender é que alguém está a ganhar dinheiro com o trabalho dele. O chefe, o administrador, o sumptuoso proprietário da marca que anuncia no produto que o agraciado concebeu de graça e que paga um décimo do que costumava pagar porque isto, sabem, não há dinheiro.

Curiosamente, o jornal continua a chegar ao mesmo preço ao consumidor final. Tal como o disco, o filme, a televisão, o espectáculo. O que é estranho porque, em tempos imemoriais, as pessoas que os faziam eram pagas. Não sendo, como não são, ou sendo pagas por uma percentagem residual do que outrora recebiam, como também são, isso deveria reflectir-se, algures, no custo final da coisa. Mas não reflecte. E isto leva-nos ao grande mistério do século XXI: esse dinheiro que é pago e ninguém recebe para onde vai?

Como há cada vez mais batalhões de ingénuos a trabalhar de graça, sobra cada vez menos espaço para quem não aceita ser agraciado pela bênção patronal da oportunidade e da honra e do espírito de sacrifício.

E assim vamos todos lentamente ao fundo, enquanto os empreendedores empregadores escrevem livros sobre como ter sucesso e esbanjam sabedoria e visão em conferências dedicadas ao tema: como sair da crise em doze passos suaves.

publicado por Alexandre Borges às 07:16
link do post | comentar
2 comentários:
De golimix a 10 de Outubro de 2011 às 08:23
Vamos ver quantos vão achar graça quando sair em decreto o despedimento por justa causa.... Tanta gentinha que vai ser agraciada! Principalmente aqueles que não fazem a vénia porque não percebem que estão a ser agraciados pelo patronato, desse que faz livros e análises giras, desse que tem que despedir e fazer cortes por causa da crise, mas que se deita em lençóis de cetim....
De Escrivaninha a 6 de Novembro de 2011 às 19:51
Muito obrigada por esta crónica.
Há tempos que eu vou alertando para este efeito perverso da crise: deixámos de ter poder reivindicativo, porque há sempre um agraciado que faz sempre tudo e mais alguma coisa por um preço mais baixo, que até pode ser nenhum.
E conseguir dizer isto com graça...é obra!

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever