Domingo, 9 de Outubro de 2011

Exortação do aniversário

Comecemos assim, para o leitor não fugir mais cedo do que é costume: neste dia, 9 de Outubro, celebra-se o nascimento de D. Dinis, rei de Portugal (1261); de John Lennon, músico extraordinário (1940); e o meu (1964). É nesta altura que o leitor avisado urra com razão «pelo amor de Deus!», invectiva a vaidade desmedida que transborda na blogosfera e refugia-se em coisas mais prementes, excitantes e reais, como o portal das finanças.

 

Hoje, o leitor avisado que se lixe. Até porque a ideia da crónica não é tanto falar do meu aniversário mas do estranho medo ou pudor de assumir um dia e as suas putativas celebrações. Encontro-o por toda a parte e das piores maneiras. A que mais me irrita são os que dizem - correcção: em regra as que dizem, muitas vezes mulheres jovens e bonitas - que deixaram de «fazer anos aos 30» ou aos 40 ou aos 50. Porquê este medo do tempo, a única coisa que criámos e ao mesmo tempo não conseguimos vencer? Será que idealmente aos 30 anos eu deveria deixar de viver? Que ficaria por ali? A história do «die young and leave a nice corpse» é das piores falácias modernas. Até porque quem a cita não pensa muito na palavra «cadáver». É, portanto, mentira: queremos sempre mais e mais, mesmo quando defendemos o contrário. A incapacidade de lidar com o tempo que passa - que no limite leva à negação ou ao botox, que juntos formam a mais triste das tautologias - é apenas a recusa do tempo presente e o dar primazia ao olhar do outro. Ou seja: ainda mais do que nos outros dias, quem renega a sua efeméride pessoal renega o hoje - e por definição, revela uma ingratidão profunda à vida.

 

É preciso que se perceba: a não ser para efeitos de Estado, a idade cronológica não interessa. Nunca irá corresponder à verdade.Deveria ser mesmo excluída dos bilhetes de identidade, tal como o estado civil, por excesso de invasão de privacidade. Mas para nós, que deveríamos ser os principais personagens das nossas vidas, estes dias deveriam ser celebrados sem limites. Quem amamos sabe que idade fazemos. E àparte uma ou outra piada jocosa, quando nos abraçam ou ligam a dar os parabéns estão a dizer «obrigado por aqui estares».  Por ontem, hoje ou amanhã. E haverá alguém que possa ter a arrogância de poder desdenhar quem ama?

 

Ao celebrarmos sem medo o nosso aniversário - em rigor o dia em que, sem ninguém nos pedir a opinião, fomos atirados para este maravilhoso mar de sarilhos - estamos no fundo  a fazer festivamente aquilo que todos os dias deveríamos fazer mal acordássemos:agradecer estar por aqui. Provavelmente apesar dos dias em que nos parece que caminhamos pelo avesso das coisas e nada tem salvação. Provavelmente sobretudo por esses dias.

 

Reparem: não são precisas grandes festas ou uma disposição pirotécnica. Basta estar junto de quem amamos. Ou por vezes procurar uma solidão que se deseja e que só enriquece. Basta - e isto sim, reconheço que é dificil - estar grato. Celebrar o nosso aniversário torna-se assim um privilégio e uma obrigação intima. Muitos são os que não fazem ideia do dia ou do ano em que nasceram, dirão. Mas procure-se então outro pretexto para celebrar o tempo que passa por nós. A ideia é agradecer, minuto a minuto.

 

Este ano, ao contrário de tempos antigos, não fiz grandes celebrações. Um amigo dizia que em consonância com a época dificil que atravessamos a única festa possivel é no Facebook.Boa blague, mas longe da verdade: o calor de quem nos quer bem, venha de onde vier, é a nossa festa. E não sabendo o que os anos me vão dar, proclamo: ainda não chega. E posso até citar, em snobeira intelectual de fim de noite, duas das minhas criaturas preferidas: o grande Jonathan Swift, autor do meu lema de vida «No wise man ever wished to be younger»; e o meu mentor pessoalíssimo, o sr.Sinatra, que resume tudo numa canção: «I'm gonna live till I die».

 

É altura de começarmos a estar gratos, caríssimos. Podemos começar pelo nosso aniversário para dizer 'obrigado'. E pois, a vida é uma merda, mas comparada com quê? 

 

 

 

 

publicado por Nuno Miguel Guedes às 05:03
link do post | comentar
10 comentários:
De Helena a 9 de Outubro de 2011 às 06:35
Excelente, maravilhoso.
... Parabéns.
De Nuno Miguel Guedes a 9 de Outubro de 2011 às 07:04
Obrigado, Helena. Agradeço o elogio generoso mas sobretudo os parabéns.:)
De Teresa a 9 de Outubro de 2011 às 07:51
Ou... «life sucks, but consider the alternatives..

Apesar de a idade nada me incomodar (e bem sabe que não), adoro os trinta e cinco anos como referência, culpa do nosso querido Wilde:

«Thirty-five is a very attractive age. London society is full of women of the very highest birth who have, of their own free choice, remained thirty-five for years. Lady Dumbleton is an instance in point. To my own knowledge she has been thirty-five ever since she arrived at the age of forty, which was many years ago now.»

(Lady Bracknell, The Importance of Being Earnest)

Um grande beijo de parabéns, Nuno!

De Alexandre Borges a 9 de Outubro de 2011 às 14:37
Parabéns, ilustre Nuno!
De Nuno Miguel Guedes a 9 de Outubro de 2011 às 23:26
Muito obrigado, amigo Alexandre! Um abraço!
De manuela a 9 de Outubro de 2011 às 22:15
concordo inteiramente consigo! e já agora, Parabéns!
De Nuno Miguel Guedes a 9 de Outubro de 2011 às 23:27
Obrigado, Manuela! :)
De andreia am a 11 de Outubro de 2011 às 14:23
1º) PARABÉNS ATRASADOS!
2.º) É muito bom ler Nuno Miguel Guedes. (Não me parece que alguém fuja de tão boa prosa...)
3.º) A tão aclamada felicidade passa pelos momentos (de lucidez) em que conseguimos sentir essa gratidão. É tão simples. E passa-se a vida a complicar (e a estragar.)
4.º) Obrigada por esta crónica.
De Nuno Miguel Guedes a 12 de Outubro de 2011 às 18:49
Obrigado, andreia, pelos parabéns que chegam com o prazo de validade mais do que intacto. E obrigado pela sua generosidade. Tirando os elogios, concordo consigo em tudo.:)
De andreia am a 13 de Outubro de 2011 às 11:17
:)

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever