Quarta-feira, 14 de Setembro de 2011

Porto

Alguma coisa acontece no meu coração quando passo a Ponte do Freixo e avisto o Estádio do Dragão – obrigadinho Caetano.

Nasci no Porto, mas não sou tripeiro. Não há gota do meu sangue que não seja minhota, e vivo desde os três anos de idade em Lisboa. No Porto tenho dois ou três amigos herdados dos meus pais, memória duma paixoneta de Verão, recordações do meu padrinho responsável por me ter cravado na alma um amor incondicional e desmedido pelo sagrado F.C. Porto e pouco mais. A vida ainda me deu mais meia dúzia de pessoas que moram no Porto, mas de que poderia ser amigo vivessem em Mangualde ou Bogotá.

Fora as memórias postiças, aquelas que depois confundimos com reais do género “foi para a Rua Carlos Malheiro Dias que vieste quando nasceste” ou “íamos para a Praia dos Beijinhos com a Almerinda” e os vãos de escada onde troquei beijos apaixonados, não há rua que me faça suspirar de saudade, café que me apresse a ir ou lacrimejante passeio nostálgico. Não sou capaz de descobrir grandes diferenças entre tripeiros e alfacinhas, a abundante chuva não me comove, gosto tanto de granito como de pedra-pomes e até me irrita um bocadinho a conversa provinciana sobre Lisboa que se ouve amiúde. E, no entanto ...

Talvez os lugares nos escolham. Talvez a cidade me diga que aquele é o meu lugar sem que se dê ao trabalho de me dar razões. Talvez, por uma estranha reacção química, o meu dna seja mais compatível com a humidade da Foz do que com a de Sintra. Talvez o som do sotaque tripeiro me amacie a alma, sem que eu perceba como. Talvez as ruas escuras, misteriosas, sejam o meu habitat natural e não esta bebedeira de luz de Lisboa. Talvez, talvez, talvez. Talvez o meu consciente goste duma coisa e o meu inconsciente doutra. Sei lá eu. Mas uma coisita a vida já me ensinou: há respostas que nunca terei.  

 

publicado por Pedro Marques Lopes às 19:31
link do post | comentar
3 comentários:
De Isa a 14 de Setembro de 2011 às 20:18
Depois disto, não há como lhe perdoar esse amor incondicional e inexplicável pelo FCPorto. Talvez esse, o amor incondicional, não tenha mesmo uma resposta :)
De Isa a 14 de Setembro de 2011 às 20:21
Não há como Não lhe perdoar... ai estes Lapsus linguae...
De wannabe a 16 de Setembro de 2011 às 20:09
O Porto é de facto assim! Como as perguntas sem resposta e os sentimentos que não cabem numa definição... :)

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever