Terça-feira, 13 de Setembro de 2011

Não É Fácil Ser Rico

Não é, não é. Por mais que lhes aconteçam catástrofes e tragédias e tudo o que de mau podemos imaginar ninguém tem compaixão por eles (podia escrever por nós mas isto é uma crónica não um conto). Porquê? Porque são ricos. E aos ricos pode acontecer tudo - que nada há-de ser o suficiente para pagarem o pecado de serem ricos. Por isso estou com os ricos nesta altura difícil em que são novamente vilipendiados, agora por não serem taxados pelas suas grandes fortunas (algo que acho errado mas não é esse o tema). Ser rico é das coisas mais difíceis que se pode ser.  É verdade. Ninguém leva a sério um rico doente. A doença do rico é um capricho. Ou então o resultado de negligência do próprio. Se é rico porque é que não foi a um grande especialista mundial tratar do assunto? Ou um rico triste. Um rico triste é, aos olhos do mundo, um contra-senso inaceitável. E existem, sabemo-lo, tantos ricos tristes para aí.

 

Há poucas figuras mais trágicas do que os ricos velhos (dizia e bem Jacques Brel: os velhos, mesmo os ricos, são pobres).  Rodeados de gente que tudo vai herdar - e muitas vezes demasiado concentrada nisso. Ou então, noutros casos, sozinhos nos seus casarões, recordando aquilo que foram e não podem ser porque as pernas já não deixam. Alguns andam pelos lares caros. Sem que ninguém os vá ver. Olhados de lado -  nos seus anos de viço foram "uns priviegiados, tinham criadagem e o raio!". O ressentimento contra a riqueza alheia é uma das realidades  mais difíceis de esconder. Salta. Vem sempre à baila.  Permanece mesmo em relação aos ex-ricos, das figuras mais terríveis que a vida pode conhecer. Não são pessoas para serem respeitadas. Amadas. Mimadas. Tiveram tudo na mão e deixaram cair. Nem jeito para serem ricos têm.

 

É aqui que queria chegar: os ricos, por muito "guito" que tenham, são, também eles, para usar uma certa terminologia, excluídos da sociedade. Tal como os pobres, não fazem parte. Quer num caso quer noutro as pessoas só lhes ligam para os culpar da situação. Devia também haver um neo-realismo para eles - sim,  têm sido menos descritos e pouco rigorosamente contados porque mesmo os escritores pintam muitas vezes o mundo a preto e branco. Estão fora da sociedade e vão estar, nestes dias de rankings, cada vez mais fora, isolados nos seus pódios douradamente vazios. Digo-vos: eu não queria ser rico. Nem que me pagassem.

publicado por Nuno Costa Santos às 21:10
link do post | comentar
2 comentários:
De São João a 14 de Setembro de 2011 às 09:29
The Great Gatsby :)
De Ativo a 14 de Setembro de 2011 às 13:20
A sabedoria popular resume da seguinte forma: Mau é o rico avarento mas, pior é, o pobre soberbo.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever