Segunda-feira, 5 de Setembro de 2011

sinusite crítica

Os críticos são odiados, já se sabe. O Vasco recorda-nos isso mesmo, ainda que, aparentemente, fosse sua primeira intenção falar da overdose de anúncios que agora precede as sessões de cinema.

Não é um ódio difícil de perceber. O crítico tem desde logo esse nome cretino. Ele não cria, ele crítica. Não tem existência própria; parasita a obra dos outros. Faz vida de dar opiniões, mesmo que nunca lhe tenham perguntado nada.

O crítico é um símbolo de um mundo que está a acabar. Um mundo anterior aos fóruns tsf, aos big brothers, aos facebooks, onde se entendia, por estranho que possa hoje parecer, que não bastava respirar para se ter uma opinião que importasse ouvir. Um mundo onde não bastava dizer “like”; era preciso explicar porquê ou por que não. O crítico é, enfim, a face mediática dum velho tema filosófico que distinguia a questão do gosto da estética. Mas agora consegue dizer-se tudo nos 140 caracteres do twitter e a Crítica Da Faculdade Do Juízo, só de título, tem 29, incluindo espaços.

É claro que ninguém teve mais responsabilidade na má fama dos críticos do que os próprios. O hermetismo, a pretensão, a leviandade e o autismo com que, amiúde, se foi escrevendo ao longo dos anos hostilizaram leitores. Um erro presunçoso e de palmatória: ignorar o público. Desdenhá-lo. Faltar-lhe ao respeito. Se alguém escreve não para ser compreendido, mas em busca da admiração pacóvia de quem rotula de intelectualidade aquilo que não entende, então estamos conversados. Quanto aos críticos e quanto aos leitores.

A história, no entanto, não termina por aqui. A crónica do Vasco é um pequeno exemplo desse curioso fenómeno contemporâneo: a crítica aos críticos. A hipotética obra de arte – “Bridesmaids”, neste caso – está lá ao fundo. Não se chega bem a dizer uma palavra sobre ela, a explanar o que possa de ter de bom ou de mau, a construir um argumento que nos faça perceber por que errou quem não gostou do filme. Critica-se os críticos porque não gostam de nada, não gostam do que nós gostamos, não gostam de Judd Apatow e gostam de Abbas Kiarostami. Critica-se os críticos pelas bolinhas ou estrelinhas que dão e não pelo que escrevem, pelo argumento, pelo raciocínio, pela razão; por aquilo afinal, por que lhes pagam: pensar sobre um filme e defender uma tese com a qual se pode ou não concordar por razões inteligíveis e não simples e irresolúveis diferenças de gosto. Critica-se os críticos, enfim, com tanto preconceito como aquele de que se os acusa.

Se o Vasco fosse um crítico, não tardaria a ser inundado de correio de gente que odiou “Bridesmaids”; gente que o insultaria por, nos quatro críticos que refere, nomear um que já não escreve e outro que é, na verdade, um célebre – e há muito morto – cineasta português; gente que lhe pediria para explicar que há de errado em gostar de Kiarostami; gente que perguntaria por que carga de água Judd Apatow, autor de três filmes entre os quais se conta “Virgem Aos 40 Anos”, teria direito a ciclo na Cinemateca; gente que perguntaria por que mistura “Bridesmaids” com um realizador que não o realizou, com a opinião de críticos que não apresenta nem desconstrói, com o problema da overdose de anúncios antes das sessões de cinema.

Mas o Vasco não é crítico e não faltará quem concorde com ele. Só estranho que, na literatura, se perceba que o light é mau; que, na música, se recuse a pop ligeirinha, fórmulas easy-listening e afins; e só no cinema haja tanta gente tão convencida de que o fácil é que é bom. Que o difícil é uma vaidade dos críticos. Que não perceba que um grande filme tenha de ser visto e revisto para ser compreendido, como tantos grandes livros e tantos grandes discos.

publicado por Alexandre Borges às 07:48
link do post | comentar
4 comentários:
De Isa a 5 de Setembro de 2011 às 16:14
Querido Alexandre,
o que irrita nos críticos é que parece que eles só existem pra dizer mal e apenas dizem bem dos filmes que ninguém entende, ou que são tão twisted que dá medo só de pensar que o gajo gostou e pior, manda-nos ver. e tens toda a razao qd dizes que os críticos não criam, só criticam. pois assim também eu ;)

Acho que o post do Vasco talvez não seja para levar tão a sério, era só uma crítica aos críticos, e engraçada, ele teve graça, daí talvez a opinião dele sobre o Bridesmaid não fosse assim tão relevante mas apenas o pretexto pra introduzir o tema, criticar os críticos ;)

qt ao cinema light e não light, o cinema ainda é entretenimento, embora para mim seja cada vez mais outras coisas, daí que há filmes light que cumprem o papel, entreter, nao os que nos chamam de idiotas, mas outros. Se fosses mulher e sofresses de tpm entenderias melhor :D, mas não te desejo tal coisa...

acho que todos nós precisamos de ser um bocadinho mais lights ;)
Bjo
De Alexandre Borges a 5 de Setembro de 2011 às 22:54
Querida Isa, não te preocupes. Está tudo "light" por aqui. Uma pequena discórdia só faz bem.
Com o TPM não posso competir, de facto, mas relativamente ao mais deixa-me dizer-te duas coisas: uma é que o cinema não é só entretenimento, também é arte. Mal da pintura se se ficasse por intenções decorativas. Mal da literatura se apenas nos quisesse alhear da realidade.
Outra coisa (e eixo do meu ponto de vista): a crítica aos críticos é, em boa parte, justa, mas a crítica aos críticos tornou-se tão linear e caricatural que se transformou num cliché maior do que o do crítico pseudo-intelectual, chato e que detesta tudo. Há hoje muita gente a escrever sobre cinema em Portugal que não tem qualquer problema em aplaudir um bom blockbuster. É ver a Sábado, a Total Film, a Time Out, o i, o próprio Público. Noutras publicações, há gente que é metida debaixo da caricatura e que, na verdade, ama profundamente o cinema e trabalha com grande seriedade.
Acima de tudo, já aborrece a crítica aos críticos. É como dizer mal do Rui Santos ou dos Delfins.
Um beijinho grande e obrigado pelo comentário.
De Sandra A. a 5 de Setembro de 2011 às 23:55
E que falta me fazem as críticas cinematográficas de um certo crítico...
De Alexandre Borges a 7 de Setembro de 2011 às 01:31
:) E que falta me fazem os filmes e as conversas em volta deles. Obrigado por apareceres, Sandra.

Comentar post

Autores

Pesquisar

Últimos posts

Contra nós temos os dias

Do desprezo pela história...

É urgente grandolar o cor...

Metafísica do Metro

A Revolução da Esperança

Autores do Condomínio

Hipocondria dos afectos

A família ama Duvall

Notícias do apocalipse

Meia idade comparado com ...

Arquivo

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

tags

todas as tags

Subscrever